Jeferson Tenório

Jeferson Tenório

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Quem tem medo da literatura negra contemporânea?

Dias atrás, numa rede social, um escritor branco sulista disse que preferia ler o escritor norte americano Philip Roth a ler Conceição Evaristo. Para além do gosto (e não me surpreende que a declaração tenha vindo do Sul), e de ser uma afirmação tosca e redutora, tal pensamento nos leva a uma falsa comparação de estilos e que esconde, na verdade, um ressentimento e uma certa ansiedade daqueles que sempre tiveram privilégios e facilidades.

Digo que é uma comparação redutora porque a ideia de exclusão sempre foi uma ideia colonialista. Creio que seja bastante possível gostar de Roth e Conceição, meu caso, por exemplo. É possível ler Marcel Proust e Carolina Maria de Jesus, e ambos oferecem ao leitor visões que se distanciam, mas que também se complementam.

Ler autores e autoras diversas amplia nossa percepção de mundo. É uma constatação óbvia, mas parece que o óbvio precisa ser dito.

A imagem da escritora Conceição Evaristo sendo aplaudida na chegada à Flip (Festa Internacional de Paraty) deste ano, ou as filas imensas de esperas para assistir ao escritor Itamar Vieira Junior, confirma a força e o reconhecimento da literatura brasileira contemporânea. Revela também uma mudança de mentalidade e uma ampliação daquilo que se entende por literatura.

Em uma das mesas da Flip em que participei a escritora Noemi Jaffe, ao falar sobre o luto, fez reflexões muito bonitas e profundas citando o intelectual francês Roland Barthes e os intelectuais indígenas Ailton Krenak e Kaka Werá, demonstrando o quanto é possível e necessário que possamos ler todas as literaturas, que há confluências entre elas. Não em termos de comparação, mas em singularidade, ou seja, não lemos porque um livro é melhor que o outro, lemos porque aquele livro é singular, porque ele nos diz algo. Lemos porque nos incomoda, porque a história nos dói.

A literatura nos desabriga e não abraça ninguém, mas de certo modo nos oferece alguma coisa que nem sempre conseguimos definir.

A acusação de que a literatura negra contemporânea trata de questões meramente identitárias, como o racismo, por exemplo, é igualmente falsa e é uma reação às mudanças daquilo que é narrado, uma reação a outras histórias que estão sendo contadas e que antes não eram ouvidas.

Livros como os de Eliana Alvez Cruz, Ana Maria Gonçalves, Luciany Aparecida, Cidinha da Silva, Luiz Mauricio Azevedo e Paulo Lins, por exemplo, trazem discussões profundas e complexas sobre a condição humana e que estão muito além de narrativas maniqueístas ou panfletárias.

A literatura é sempre muito generosa e aceita todas as narrativas. O bom leitor é aquele que sabe reconhecer a qualidade literária, mesmo que sua experiência seja muito diferente do que está sendo lido.

Continua após a publicidade

Isso é justamente o que a literatura nos oferece de melhor: a possibilidade de vivermos outras vidas que não são as nossas.

Pergunto: o que Raskolnikov, personagem do escritor russo Dostoievski, teria a oferecer a uma realidade brasileira? O que Ponciá Vicêncio, personagem de Conceição Evaristo, teria a ver com os russos?

Acho que ambos podem oferecer algo de universal e particular a esses leitores porque ambos, ao seu modo, nos dizem algo importante sobre a vida.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes