Conteúdo publicado há 3 meses
Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Quantos e quais são os candidatos a ministro da Justiça

Após a indicação de Flávio Dino à vaga no Supremo Tribunal Federal, a corrida para ocupar sua cadeira no Ministério da Justiça e Segurança ganhou ainda mais candidatos. São ao menos 14 ministeriáveis, segundo levantamento junto a pessoas bem informadas na área. Quase todos os cotados têm padrinhos políticos, mas há alguns independentes.

Os ministeriáveis podem ser divididos em três grupos. Os candidatos a ministro apenas da Justiça, os candidatos a ministro só da Segurança ou a ambos. Tudo depende de Lula querer dividir a pasta em duas ou não. A divisão duplica o problema. Por isso, hoje, os candidatos mais fortes são os que permitiriam manter o ministério unificado.

Entre os candidatos a ministro da Justiça e Segurança, um nome se destaca: é o ex-presidente do Supremo Ricardo Lewandowski, que acompanha Lula em sua atual viagem internacional.

A favor de Lewandowski:

confiança de Lula;

bom trânsito entre ex-colegas de Supremo;

não provocar outras mudanças na Esplanada dos Ministérios.

Contra:

pouca familiaridade e interesse em assuntos policiais;

Continua após a publicidade

por ser cota pessoal de Lula, sua nomeação não apaziguaria setores políticos que se dizem desprestigiados pelo presidente.

Outros cotados que poderiam assumir o ministério com a dupla atribuição de cuidar da Justiça e da Segurança são:

Vinicius Carvalho, ministro da Controladoria Geral da União;

Jorge Messias, advogado-geral da União;

Wellington César Lima e Silva, secretário de Assuntos Jurídicos da Casa Civil;

Gleisi Hoffmann, presidente do PT;

Continua após a publicidade

Wadih Damous, secretário nacional do Consumidor.

Os cotados a ministro da Justiça sem a Segurança são:

Simone Tebet, ministra do Planejamento;

Marco Aurélio Carvalho, advogado do Grupo Prerrogativas;

Augusto Botelho, secretário nacional de Justiça;

Dora Cavalcanti, advogada, conselheira do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD).

Continua após a publicidade

Os cotados a ministro da Segurança sem a Justiça são:

Andrei Rodrigues, diretor-geral da Polícia Federal;

Luiz Fernando Corrêa, diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência);

Ricardo Capelli, secretário-executivo do Ministério da Justiça;

Adriana Accorsi, delegada e deputada federal (PT-GO).

Além de Lula, outros atores políticos têm interesse e atuação direta para tentar emplacar aliados ou, no mínimo, evitar rivais:

Continua após a publicidade

Flávio Dino: quer manter sua influência no ministério e faz lobby por Ricardo Capelli;

Rui Costa, ministro da Casa Civil, tem vários potenciais aliados no páreo (Wellington Lima e Silva e Luiz Fernando Corrêa, por exemplo) e ao menos um desafeto (Andrei Rodrigues);

PT se diz desprestigiado nas indicações para o Supremo e Procuradoria-Geral da República e tenta recuperar espaço indicando alguém próximo ao partido, como Jorge Messias e Gleisi Hoffmann.

***

O Análise da Notícia vai ao ar às terças e quartas, às 18h30.

Onde assistir: Ao vivo na home UOL, UOL no YouTube e Facebook do UOL.

Continua após a publicidade

Veja abaixo o programa na íntegra:

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes