Conteúdo publicado há 2 meses
Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Opinião

A Abin paralela é a própria Abin

O colunista do UOL José Roberto de Toledo afirmou durante o programa Análise da Notícia que não existe uma "Abin (Agência Brasileira de Inteligência) paralela", pois a própria agência acaba atuando contra o Estado brasileiro.

Discordo da avaliação de que existe uma Abin paralela porque o número dois e o número um da Abin são os protagonistas dessa história. O Ramagem e o segundo dele e isso não é paralelo, é a própria Abin. A Abin paralela é a própria Abin e vem assim desde o adestramento da Escola das Américas em 1946. É assim desde a formação e ela não atua para fazer a segurança de Estado contra estados estrangeiros, é um órgão que atua contra a sociedade brasileira. José Roberto de Toledo

A Polícia Federal investiga se Carlos Bolsonaro, filho do ex-presidente Jair Bolsonaro, recebia informações de um esquema de espionagem ilegal da Abin. Para Toledo, a história de formação da Abin, que tem origem em 1946 na Escola das Américas, fundada pelos Estados Unidos, mostra que a agência nasceu para favorecer os interesses dos Estados Unidos. O nome inicial da Escola das Américas, inclusive, era Centro de Adestramento Latino-Americano.

Em 1946, como efeito da Escola das Américas, surgiu o primeiro serviço de informações oficial do governo brasileiro, que só foi implementado em 1956 e estruturado em um decreto de 1958, quando havia indícios de que o comunismo poderia se espalhar pelo continente.

O primeiro serviço de informações e inteligência brasileiro é montado justamente com a perspectiva de combater inimigos internos comunistas diante da perspectiva da expansão da revolução Cubana. Isso vai até 1964, quando tem o golpe militar e se transforma no Serviço Nacional de Informações, que vai coordenar os serviços de inteligência militares. José Roberto de Toledo

O Serviço Nacional de Informações foi desmontado por Collor em 1990 e a Abin foi criada em 1996 durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, importando uma cultura militar que era oriunda da Escola das Américas.

O adestramento foi muito eficiente e rende frutos até hoje, porque você nunca vai achar um agente da Abin tentando fazer contraespionagem, ele atua a favor da espionagem americana. O inimigo sempre foi interno, sempre foi a esquerda, sempre foi o comunismo e essa é a doutrina que está implementada na Abin. José Roberto de Toledo

Por fim, o colunista do UOL também fez uma comparação com serviços de inteligência de outros países, destacando que essas sim acabam focando sua atuação em ameaças externas.

A grande preocupação da CIA é com o que acontece fora das fronteiras dos Estados Unidos com outros países e inimigos externos. A mesma coisa você pode dizer da FSB, que seria algo paralelo na Rússia ou o MI6 na Inglaterra. Aqui todo o noticiário que se tem sobre a Abin é sempre sobre confusões dentro do país contra inimigos brasileiros, não contra inimigos estrangeiros. José Roberto de Toledo

Continua após a publicidade

***

O Análise da Notícia vai ao ar às terças e quartas, às 13h e às 14h30.

Onde assistir: Ao vivo na home UOL, UOL no YouTube e Facebook do UOL.

Veja abaixo o programa na íntegra:

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.