PUBLICIDADE
Topo

Juliana Dal Piva

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Demitido após viagem a Dubai, ex-secretário quer disputar vaga a deputado

Felipe Pedri - Reprodução/Twitter
Felipe Pedri Imagem: Reprodução/Twitter
Juliana Dal Piva

Juliana Dal Piva é formada pela Universidade Federal de Santa Catarina e possui mestrado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getulio Vargas. Trabalhou nos jornais O Dia, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo e revista Época. Obteve oito premiações de jornalismo. Entre elas, o Prêmio Líbero Badaró de jornalismo impresso em 2014 e também foi menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. Em 2019, recebeu ainda o Prêmio Relatoría para la Libertad de Expresión (RELE) da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, pelo trabalho "Em 28 anos, clã Bolsonaro nomeou 102 pessoas com laços familiares".

Colunista do UOL

20/10/2021 04h00Atualizada em 20/10/2021 10h47

Felipe Cruz Pedri, ex-secretário de Comunicação Institucional da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social), disse à coluna que tem intenção disputar uma vaga a deputado federal na eleição de 2022.

"Tem essa possibilidade mesmo", escreveu Pedri para a coluna. Ele vai aguardar a definição do presidente Jair Bolsonaro por um partido e pretende se filiar à mesma legenda.

Há expectativa de que, apesar da saída da Secom, Pedri possa ocupar um cargo na Secretaria de Cultura do governo federal nos próximos dias. A exoneração dele foi publicada no Diário Oficial na terça-feira (19) e ocorreu após uma viagem na qual Pedri acompanhou uma missão brasileira nos Emirados Árabes para a Expo Dubai. Na mesma viagem, estava o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). De 28 de setembro a 5 de outubro, o então secretário teria utilizado R$ 13,3 mil em sete diárias durante a viagem, segundo dados oficiais divulgados pelo governo.

Pedri se descreve como publicitário e ativista e é tido como seguidor de Olavo de Carvalho. O ex-secretário foi um dos autores do manifesto do Aliança pelo Brasil, lançado em 2019 com o objetivo de abrigar o presidente Bolsonaro, que está sem partido desde a saída do PSL. O Aliança, porém, não saiu do papel e não vai disputar as eleições de 2022 como legenda.

O ex-secretário já esteve em alguns cargos no governo. Até abril de 2020, era assessor especial do gabinete do então ministro da Casa Civil. Com a chegada de Walter Braga Netto, foi exonerado. Cinco dias depois, Pedri foi nomeado assessor de Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) no Senado. Em setembro de 2020, foi para a Secom. Antes do emprego com Braga Netto e com o filho do presidente, Pedri já havia trabalhado para Onyx Lorenzoni na Câmara dos Deputados.