PUBLICIDADE
Topo

Kennedy Alencar

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ao radicalizar golpismo, Bolsonaro beneficia discurso de Lula, avalia PT

28.abr.2022 - Bolsonaro, em evento no Palácio do Planalto - Antonio Molina/Folhapress
28.abr.2022 - Bolsonaro, em evento no Palácio do Planalto Imagem: Antonio Molina/Folhapress
Conteúdo exclusivo para assinantes
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na ?Folha de S.Paulo?, onde foi redator, repórter, editor da coluna ?Painel? e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro ?Kosovo, a Guerra dos Covardes? (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas ?É Notícia? e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário ?What Happened to Brazil?, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada ?Brasil em Transe?, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

17/05/2022 13h02Atualizada em 17/05/2022 15h16

O PT avalia que o presidente Jair Bolsonaro erra ao exagerar no golpismo e acaba beneficiando o discurso do ex-presidente Lula de que um dos temas principais da eleição será uma escolha entre a defesa da democracia e a ameaça de autoritarismo.

Nas últimas semanas, Bolsonaro desencadeou uma série de ataques à democracia, como a graça concedida ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) e discursos quase diários contra a urna eletrônica nos quais sugere a possibilidade de rejeitar uma derrota eleitoral e tentar um golpe.

A investida de Bolsonaro uniu a sociedade civil num discurso contra o presidente e levou o presidente do TSE, Edson Fachin, e seu futuro sucessor no Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes, a fazerem discursos duros assegurando a lisura das eleições e o respeito ao resultado das urnas eletrônicas.

Para Lula, ao radicalizar cada vez mais e dizer, por exemplo, que nunca será preso, Bolsonaro transmite uma ideia de desespero aos seus aliados, passa recibo de provável derrota e deixa claro que tem de medo de ser detido depois de deixar a Presidência.

Guerra tucana

O PT tem acompanhado de camarote a crise do PSDB em torno da manutenção da candidatura presidencial do ex-governador João Doria. Uma ala tucana defende a saída de Doria do páreo e o apoio à senadora peemedebista Simone Tebet.

O desarranjo no ninho tucano poderia estimular, na visão do PT, mais atitudes como a do ex-ministro e ex-senador Aloysio Nunes Ferreira, que afirmou que trabalharia a favor da candidatura de Lula já no primeiro turno. Mais tucanos históricos, críticos de Doria e descrentes quanto a Simone Tebet tenderiam, derrubada a candidatura própria do PSDB, a se manifestar a favor do voto no petista já na primeira etapa.

Ordem unida

Na tarde de segunda, em São Paulo, houve longa reunião no PT para unificar as ações de comunicação, agenda e política de Lula. O objetivo foi combinar a fusão das estruturas do partido com a do Instituto Lula para que atuem de forma coordenada durante a campanha eleitoral.

Disputa nas redes

O PT identificou nas redes sociais um movimento do bolsonarismo para tentar carimbar o casamento de Lula e Janja como um evento de ostentação. O partido tem procurado reforçar a dimensão pessoal do casório, que acontecerá amanhã em São Paulo.

Do ponto de vista político, o próprio Lula tem assumido a condição de apaixonado, na linha de "um homem que ama não quer briga com ninguém". Nas redes sociais, o PT usa bastante a imagem de coração, num contraponto a Bolsonaro, que defende mais armas para a população.

PT e PSD em Minas

O palanque de Lula em Minas está sendo fechado. O PT apoiará a candidatura ao governo de Alexandre Kali (PSD). O partido também se movimenta para retirar Reginaldo Lopes (PT) da disputa pelo Senado e deixar a pista menos congestionada para Alexandre Silveira (PSD) tentar se reeleger.