PUBLICIDADE
Topo

Kennedy Alencar

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

PT pretende propor 3 debates no modelo de pool; Lula ligou para FHC

Conteúdo exclusivo para assinantes
Kennedy Alencar

O jornalista Kennedy Alencar é correspondente e comentarista da rádio CBN em Washington. Começou sua carreira em 1990 na ?Folha de S.Paulo?, onde foi redator, repórter, editor da coluna ?Painel? e enviado especial às guerras do Kosovo e Afeganistão. É autor do livro ?Kosovo, a Guerra dos Covardes? (editora DBA). Na RedeTV!, apresentou durante cinco anos o programa de entrevistas ?É Notícia? e mediou os debates presidenciais de 2010 e municipais de 2012. Estreou como comentarista da rádio CBN em 2011. Criou o "Blog do Kennedy" em 2013. Trabalhou no SBT entre 2014 e 2017. É produtor-executivo e roteirista do documentário ?What Happened to Brazil?, realizado para a BBC World News. Com uma versão em português intitulada ?Brasil em Transe?, o documentário retrata a crise que começa nas manifestações de junho de 2013, passa pelo impacto da Lava Jato e do impeachment de Dilma na política e na economia e resulta na eleição de Bolsonaro.

Colunista do UOL

25/05/2022 14h33Atualizada em 25/05/2022 17h12

O PT pretende propor aos veículos de comunicação a realização de três debates presidenciais no primeiro turno, num modelo de pool semelhante ao adotado nos Estados Unidos.

O ex-presidente Lula já foi convidado para 11 debates eleitorais. Na avaliação da cúpula do PT, com uma campanha eleitoral tão curta, é inviável aceitar tantos convites, que tendem a aumentar. O plano é apresentar uma proposta com um formato que reúna diversos veículos de comunicação.

A data do debate da Rede Globo, sempre na reta final do primeiro e segundo turnos, é considerada ruim pelo PT. O partido quer uma mudança que permita aos debates ter, na prática, uma repercussão eleitoral mais longa.

O partido pretende propor a ideia de debates em pool às associações representativas das emissoras de rádio, TV, jornais, revistas e portais. Detalhe: a regra de pool valeria para a Globo também.

A proposta de três debates em pool também deverá ser apresentada pelo PT a outras legendas que tenham candidato à Presidência.

Série A

Hoje, a participação do presidente Jair Bolsonaro nos debates é considerada condição necessária para que Lula também aceite o confronto entre candidatos. Sem Bolsonaro, o PT não vê sentido na presença do líder das pesquisas para virar saco de pancadas de candidatos sem chance real de vitória.

44 anos depois

Lula já ligou para FHC a fim de conversar sobre os caminhos do PSDB após a saída de João Doria da corrida presidencial. Em 1978, Lula fez campanha para a candidatura de FHC ao Senado. Ter o apoio do tucano agora seria um grande gol político. Poderia pavimentar o caminho para a adesão de tucanos históricos no primeiro turno.

Política econômica

A exemplo de 2003, Lula pretende agir com responsabilidade fiscal, mas já decidiu que achará espaço para fazer um grande programa de investimentos. Se for necessário aumentar a dívida pública, ele não hesitará.

A reedição do PAC e a ressurreição do Bolsa Família fazem parte dos planos.

Confusão à vista

Lula não vai se comprometer com a reestatização da Eletrobras. O ex-presidente concentrará fogo máximo na tentativa de impedir que a União perca o controle das ações com direito a voto. Se a empresa for privatizada, os principais sócios serão chamados para uma conversa dura no começo de um eventual governo petista.

Modelos em estudo

A respeito dos preços dos combustíveis, a decisão de Lula é acabar com a paridade com o dólar. A fórmula e o tempo em que essa decisão será implementada dependerão de conversas que o petista quer amadurecer sobre o futuro da Petrobras. A ideia de fusão com a Eletrobras para criar uma enorme empresa de energia está na cabeça do ex-presidente.

Quem avisa amigo é

Não há nenhuma decisão de Lula sobre os nomes que integrarão o ministério de seu eventual governo. Candidatos a ministro que estão se movimentando correm o risco de quebrar a cara, especialmente aqueles que cobiçam a área econômica.

Saco cheio

Lula está sem a menor paciência para atender aos convites de conversas com os bancos. Tem dito que quer saber das instituições financeiras quais são as propostas que elas têm para combater a fome, gerar emprego e realizar uma reforma tributária que cobre mais dos ricos e menos dos pobres.

Jogo casado

Lula convidou Alckmin para viajar com ele para a região Sul. Na campanha, o petista terá agendas comuns e separadas com o candidato a vice, como fazia com José Alencar em 2002. Quando a chapa for oficializada, a ideia é realizar um grande comício, com os dois juntos.