PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

Justiça penhora conta bancária e bens de Luxemburgo por dívida de IPTU

Técnico afirma ter pago parte das dívidas, e se compromete a saldar o que for devido, segundo assessoria - Cesar Greco
Técnico afirma ter pago parte das dívidas, e se compromete a saldar o que for devido, segundo assessoria Imagem: Cesar Greco
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

25/11/2020 10h19

O técnico de futebol Vanderlei Luxemburgo teve cerca de R$ 112 mil penhorados pela Justiça de São Paulo por conta de dívidas de IPTU (Imposto Predial Territorial e Urbano).

Luxemburgo, que treinou a seleção brasileira e equipes como Palmeiras, Real Madrid, Santos e Corinthians, responde a pelo menos quatro processos, movidos pelas Prefeituras de São Paulo e de Bragança Paulista, no interior do estado.

A penhora atingiu uma conta bancária de Luxemburgo no Itaú (R$ 27 mil) e bens, entre os quais um terreno no interior. O técnico não apresentou defesa em nenhuma das ações.

Numa delas, a Prefeitura de São Paulo informou à Justiça que Luxemburgo deve R$ 59 mil referente a dez parcelas de IPTU (incluindo juros) de um apartamento localizado em Santa Cecilia, bairro central da capital paulista. O valor venal do imóvel, de acordo com o documento, é de R$ 2,2 milhões.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Luxemburgo disse que um dos casos de Bragança Paulista já foi regularizado por depósitos feitos nos autos do processo. Sobre uma segunda cobrança, informa que já autorizou a liquidação dos valores, de modo que "ambos os casos aguardam apenas trâmites judiciais para o seu encerramento".

Luxemburgo disse ainda desconhecer os outros dois processos, movidos pela prefeitura paulistana. "Reconhecendo a procedência das referidas cobranças, os valores serão regularizados."

Em janeiro, o Tribunal de Justiça determinou que o Palmeiras, clube ao qual Luxemburgo trabalhava à época, depositasse em juízo 15% do seu salário. A decisão foi motivada por conta de um processo em que o treinador foi condenado a pagar uma indenização por danos morais ao ex-jogador Marcelinho Carioca.

Com correções e dívidas, segundo reportagem publicada à época pelo UOL, a dívida atualizada de Luxemburgo com Marcelinho seria de R$ 520 mil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.