PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Cravinhos diz querer paz, mas TJ nega censurar programa sobre caso Suzane

Os irmãos Cristian e Daniel Cravinhos e a estudante Suzane Louise von Richthofen  - Luciana Cavalcanti/Folhapress
Os irmãos Cristian e Daniel Cravinhos e a estudante Suzane Louise von Richthofen Imagem: Luciana Cavalcanti/Folhapress
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

08/03/2021 11h34

O Tribunal de Justiça rejeitou o pedido feito por Cristian Cravinhos para censurar a série de TV "Investigação Criminal", produzida pela Medialand Produção e Comunicação.

Cristian, que alegou ter o "direito ao esquecimento", participou do assassinato do casal Manfred e Marísia Richthofen, um dos crimes mais chocantes da história do país.

No dia 31 de outubro de 2002, Suzane Richthofen, de 18 anos, então estudante de Direito da PUC-SP, abriu a porta da casa da família para que Cristian e seu irmão, Daniel Cravinhos, matassem os pais dela a pauladas.

Além de querer retirar do ar o episódio em que a morte do casal é retratada, Cristian pediu uma indenização de R$ 500 mil pela utilização na série de 12 fotografias com a sua imagem.

Cravinhos, que havia sido derrotado em primeira instância, disse em recurso apresentado ao Tribunal de Justiça de São Paulo que está cumprindo sua pena, que logo estará em regime aberto e que deseja "viver em paz". A exposição de sua imagem na série de TV, afirma, significa uma condenação a uma "pena perpétua".

"Ele não era o personagem principal do crime e não pode ser lembrado pelo resto da sua vida por este delito", disse à Justiça o advogado Valdir Rodrigues de Sá, que o representa. "Por que é tão importante manter esta história acesa na memória da sociedade? O que muda nas vidas das pessoas lembrar disso?"

O advogado afirma que a série prejudica muito a vida de Cravinhos, "que é pai de uma menina de 9 anos, irmão, esposo, filho, sobrinho". "É mesmo imprescindível manter a sociedade sempre lembrando deste fato e tornando o convívio do Cristian Cravinhos e sua família impossível na sociedade?"

Os desembargadores não aceitaram a argumentação. A relatora Penna Machado afirmou que não houve ofensa à imagem de Cravinhos, que o caso é de interesse público e que foi amplamente divulgado pela imprensa.

Cabe recurso à decisão.