PUBLICIDADE
Topo

Rogério Gentile

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Justiça manda Maluf pagar multa de R$ 2,8 milhões por improbidade

Paulo Maluf, após exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), em 2017 - WAGNER PIRES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Paulo Maluf, após exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML), em 2017 Imagem: WAGNER PIRES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Rogério Gentile

Rogério Gentile é jornalista formado pela PUC-SP. Durante 15 anos, ocupou cargos de comando na redação da Folha de S.Paulo, liderando coberturas como a dos ataques da facção criminosa PCC, dos protestos de 2013 e das eleições presidenciais de 2010 e 2014, entre outras. Editou a coluna Painel e o caderno Cotidiano e foi secretário de Redação, função em que era responsável pelas áreas de produção e edição do jornal. Atuou como repórter especial da Folha de 2017 a 2020 e atualmente é colunista.

Colunista do UOL

04/07/2022 12h17

A Justiça de São Paulo determinou ao ex-prefeito Paulo Maluf que pague uma multa de cerca de R$ 2,87 milhões em cumprimento a uma sentença na qual foi condenado por improbidade administrativa.

Em 1996, quando era prefeito de São Paulo, Maluf, de acordo com a Justiça, realizou manobras irregulares nas contas da cidade para justificar gastos extras no orçamento. O então prefeito teria utilizado artifícios contábeis para projetar uma arrecadação de impostos maior do que a realizada.

A manobra irregular teria custado cerca de R$ 2,6 bilhões aos cofres da prefeitura.

A condenação já transitou em julgado, portanto não cabe mais recurso. O ex-prefeito pode apenas questionar os cálculos feitos para o valor da multa, arbitrada em 100 vezes o salário que recebia no cargo, de R$ 6.000 (cerca de R$ 28,7 mil em valores atualizados para abril de 2022).

Maluf se defendeu no processo argumentando que as contas foram analisadas e aprovadas pelo Tribunal de Contas do Município, e que os gastos suplementares foram feitos com base na legislação. Disse que não houve nenhuma irregularidade.

O juiz Jose Eduardo Cordeiro Rocha determinou que o ex-prefeito faça o pagamento em 15 dias, sob pena de receber uma multa de 10%.

Maluf, atualmente, está em liberdade condicional por determinação do Supremo Tribunal Federal.

Ele cumpre pena de 7 anos, 9 meses e 10 dias por crime de lavagem de dinheiro e outra de 2 anos e 9 meses por crime eleitoral.

O ex-prefeito, segundo laudo médico apresentado por seus advogados à Justiça, é portador de doenças graves, sofrendo períodos de desorientação com quadro compatível com demência e evoluindo para Alzheimer.