Rogério Gentile

Rogério Gentile

Siga nas redes
Reportagem

Justiça nega prisão domiciliar humanitária para Roger Abdelmassih

O Tribunal de Justiça de São Paulo rejeitou o pedido de prisão domiciliar solicitado pelo ex-médico Roger Abdelmassih, de 80 anos, condenado por crimes sexuais contra pacientes.

O pedido havia sido feito pela advogada Larissa Sacco Abdelmassih, mulher do ex-médico, que alegou razões humanitárias. De acordo com ela, o quadro de saúde de Abdelmassih se agravou sensivelmente nos últimos anos, sendo ele portador de uma "cardiopatia grave progressiva e irreversível".

"Ele depende de um rigoroso tratamento médico, chegando, inclusive, em uma das internações, a entrar em coma, sofrer parada cardiorrespiratória (revertida), ter tromboembolismo pulmonar e sepses", declarou na petição.

Segundo a advogada, a situação clínica do marido, que foi um dos mais famosos especialistas em reprodução assistida do país, é "terrível" e "periclitante", com "elevado risco de óbito"

Ao rejeitar o pedido, o desembargador Eduardo Abdalla, relator do processo no Tribunal de Justiça, afirmou que, a despeito da gravidade de sua saúde, Abdelmassih vem recebendo todo os cuidados necessários e que, quando houve necessidade, foi transferido e atendido no Hospital Penitenciário.

"Tanto isso é verdade que seu quadro permanece estável", declarou, citando uma perícia médica.

Segundo ele, a hipótese de prisão domiciliar, "tida como humanitária", dependeria da constatação de que a penitenciária não tem condições de oferecer o tratamento de saúde adequado para a situação do ex-médico, "mas esse não é o caso".

A decisão foi publicada no dia 6 de novembro.

Abdelmassih foi condenado a uma pena de 173 anos, seis meses e 18 dias de prisão após ter sido denunciado pelo abuso de 37 pacientes, algumas delas sedadas durante procedimentos médicos. O caso foi revelado pela Folha em 2009 em uma reportagem da jornalista Lilian Christofoletti.

Continua após a publicidade

O médico sempre negou todas as acusações. Ele chegou a dizer que as pacientes podem ter sofrido alucinações provocadas por um medicamento usado durante o tratamento de fertilização in vitro.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes