Rogério Gentile

Rogério Gentile

Siga nas redes
Reportagem

Abel Ferreira perde processo para Mauro Cezar e terá de pagar R$ 10 mil

A Justiça paulista rejeitou um pedido de indenização por danos morais feito pelo treinador Abel Ferreira, do Palmeiras, contra o jornalista Mauro Cezar, que é colunista do UOL, por comentários feitos na Rádio Jovem Pan.

Em julho de 2022, Mauro Cezar chamou Abel de "colonizador" após uma entrevista coletiva na qual o treinador, ao falar sobre um jovem atleta (Gabriel Veron), disse que os jogadores brasileiros tinham muito a evoluir em relação à formação.

"De longe, são os melhores que eu já joguei, mas mentalmente têm muito que evoluir, a nível de educação, a nível de formação enquanto homens. Eles não têm essa formação. Eles, às vezes, não têm noção do que estão a fazer, não tem noção nenhuma e apostar na formação é isto", declarou o treinador.

O jornalista disse que o comentário de Abel era "papo de colonizador". "Então europeu não bebe, não faz bobagem, é todo mundo disciplinado. Eu não gosto quando os portugueses vêm para cá com esse papo furado. Abel fala em tom professoral, como se estivesse ensinando para nós brasileiros como a gente deve se comportar. Não, não é assim."

Na ação, na qual pedia uma indenização por danos morais de R$ 50 mil, Abel disse que Mauro Cezar é "um notório torcedor do Flamengo" e que, em "razão da paixão futebolística, muitas vezes emite comentários parciais desprovidos de caráter informativo". O treinador disse que as afirmações do jornalista eram injuriosas e tinham conotação xenofóbicas.

Na defesa apresentada à Justiça, o advogado João Chiminazzo, que representa Mauro Cezar, disse que o processo era uma tentativa de silenciá-lo e que não é a primeira vez que Abel Ferreira tem problemas com jornalistas que estão apenas fazendo o seu trabalho. "Por diversas vezes, foi deselegante e agressivo com jornalistas."

O advogado afirmou que, ao dizer que Abel tem "tom colonizador e professoral, o jornalista apenas emitiu sua opinião, de forma sóbria".
"Ao que parece, Abel acredita que somente ele pode emitir sua opinião, não conferindo tal direito ao jornalista", declarou o advogado no processo, ressaltando que Mauro Cezar já fez diversos comentários críticos em relação a membros do Flamengo.

Ao rejeitar o pedido de indenização, a juíza Renata Carvalho disse que uma das finalidades da liberdade de expressão é a crítica. De acordo com a magistrada, o jornalista não cometeu nenhum ato ilícito.

Abel, que vai recorrer, terá, segundo a decisão, de pagar R$ 10 mil em honorários aos advogados de Mauro e da Jovem Pan (R$ 5 mil para cada).

Continua após a publicidade

No mês de agosto, em outro processo, o jornalista Menon e o UOL foram condenados a pagar uma indenização de R$ 30 mil ao técnico do Palmeiras pelo fato de o então colunista ter dito que Abel queria "ensinar, domesticar e colonizar" o povo brasileiro, citando o período da escravidão.

O juiz Dimitrios Varellis disse na sentença que o jornalista, ao associar Abel a ato de subjugação de povos e à escravidão, havia extrapolado na crítica, atingindo a honra do treinador.

Menon e o UOL recorreram citando a liberdade de expressão e o direito de crítica.

"O artigo não incorre em xenofobia, nem acusa o treinador de ser favorável aos atos de subjugação e extermínio praticados por Portugal durante a colonização do Brasil, mas apenas constata que alguns aspectos da lógica colonizadora parecem remanescer na declaração", afirmou a defesa do jornalista à Justiça.

O recurso ainda não foi julgado.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes