PUBLICIDADE
Topo

UOL Confere

Uma iniciativa do UOL para checagem e esclarecimento de fatos


UOL Confere

Não é verdade que máscaras reduzem oxigenação, como disse Bolsonaro em live

Juliana Arreguy e Beatriz Montesanti

Do UOL e colaboração para o UOL, em São Paulo

17/06/2021 21h07Atualizada em 18/06/2021 18h16

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mentiu, em sua live de hoje (17), ao afirmar que o uso de máscaras reduz a oxigenação, repetindo um boato que vem sendo espalhado desde o início da pandemia de covid-19. As máscaras não impedem que a troca de gases da respiração ocorra normalmente, e o uso delas é uma das principais medidas de prevenção da disseminação do coronavírus.

Bolsonaro afirmou ainda que quem já foi infectado pelo coronavírus ou vacinado contra a covid-19 poderia deixar de usar máscara, o que não é verdade e vai contra as recomendações de especialistas em saúde. O presidente também deu declarações falsas para atacar medidas tomadas pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), e pela cidade de Araraquara (SP) durante a pandemia. Veja o que o UOL Confere checou:

Máscaras não reduzem oxigenação

O cara tá com a máscara, carro fechado, ele respirando ali, vai ter uma oxigenação menor no seu corpo, não precisa ser médico para dizer isso aí, pode levar a acidentes."
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em sua live semanal

É falso que as máscaras reduzem a oxigenação. Isso vem sendo desmentido desde o início da pandemia, conforme verificações feitas pelo Projeto Comprova em maio, agosto e dezembro de 2020.

Mesmo com grande capacidade de vedação, as máscaras ainda apresentam poros que permitem que a troca de gases na respiração ocorra normalmente. O que elas reduzem é a quantidade de gotículas proliferadas ou absorvidas no ar. Um informe publicado pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) em agosto do ano passado aponta que as máscaras são utilizadas há décadas por profissionais de saúde e não apresentam contraindicações.

Especialistas orientam usar máscara mesmo após vacina

Quem está contra [o parecer sobre máscaras] é negacionista, porque não acredita na vacina."
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em sua live semanal

Bolsonaro voltou a dizer que encomendou um "parecer" ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para desobrigar o uso de máscaras para pessoas que já tiveram covid-19 ou que já foram vacinadas contra a doença. Especialistas e autoridades sanitárias em todo o mundo orientam justamente o contrário: que mesmo quem tomou vacina deve continuar usando máscara e evitando aglomeração.

Apenas países que estão com a vacinação em ritmo acelerado dispensaram a máscara para vacinados, como Israel (59,48% da população com duas doses) e Estados Unidos (43,79%). Esse está longe de ser o caso do Brasil, em que apenas 11,23% da população foi totalmente imunizada até agora com as duas doses. Os dados são da plataforma Our World in Data, que consolida dados mundiais relacionados à pandemia, e correspondem a ontem (16).

Segundo o levantamento do consórcio dos veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte, hoje o Brasil chegou a 11,37% da população vacinada com duas doses de vacinas contra covid-19.

Segundo especialistas, a vacina não é um passe livre para as pessoas deixarem de usar as máscaras e fazerem aglomerações. Isso porque os imunizantes, de acordo com suas eficácias, reduzem as chances do adoecimento e, com isso, diminuem a transmissão da doença nas comunidades, mas não as eliminam por completo.

Pessoas vacinadas também podem transmitir covid-19, e nenhuma vacina irá proteger 100% a pessoa. Um estudo do IHME (Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde), da Universidade de Washington, já mostrou que mesmo com a vacinação, só o uso de máscaras e distanciamento podem frear a pandemia.

O próprio ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reconheceu que a vacinação precisa avançar no Brasil para pessoas deixarem de usar máscara.

Quem já teve covid-19 não tem imunidade garantida

Eu estou 'vacinado', entre aspas. Todos os que contraíram o vírus estão vacinados, até de forma mais eficaz que a vacina. Quem contraiu o vírus, não se discute, esse está imunizado."
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em sua live semanal

Não é garantido que quem contraiu a covid-19 esteja completamente imune à doença. Há casos de reinfecção registrados em todo o mundo, assim como o surgimento de novas variantes, que podem atingir o organismo que já teve contato com o vírus.

Um estudo do Centro Conjunto Brasil-Reino Unido para Descoberta, Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus aponta que a variante Gamma, surgida no Brasil, é mais transmissível que a original e pode atingir quem já tem anticorpos. Outra análise do mesmo centro indica que até 31% dos indivíduos que tiveram covid-19 em Manaus após janeiro de 2021 podem ter sido reinfectados.

Uma pesquisa da Universidade Feevale, no Rio Grande do Sul, datada de abril deste ano, confirmou que um homem de 39 anos, morador da cidade gaúcha de Campo Bom, morreu depois de ser reinfectado pelo coronavírus.

Mortalidade por covid-19 no Brasil é maior do que em Araraquara

Nós temos ali um prefeito que não sei o que tem na cabeça, de Araraquara, novamente programando um novo lockdown na sua cidade. Uma cidade que morre mais gente [de covid-19] que a média no Brasil.
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em sua live semanal

O Brasil tem atualmente 236 mortos por covid-19 a cada 100 mil habitantes, segundo o Ministério da Saúde. Araraquara, por sua vez, tem 179 óbitos pela doença a cada 100 mil habitantes, também de acordo com os dados do ministério. Os números do município do interior de São Paulo, portanto, não são superiores ao do país. O prefeito da cidade é Edinho Silva, do PT, partido do qual Bolsonaro é adversário.

Araraquara, de fato, decretou hoje um novo lockdown, após os casos de covid-19 voltarem a subir na cidade. De acordo com a secretária de Saúde, Eliana Mori Honain, o município completou três dias seguidos com mais de 20% de casos positivos identificados nas testagens de pacientes sintomáticos e assintomáticos, critério estabelecido em decreto como regra para se entrar em lockdown.

Este é o segundo lockdown em Araraquara. O primeiro foi em fevereiro e, apesar da crítica do presidente, teve resultados positivos para reduzir a taxa de contaminação entre a população. Entre março e abril, as mortes por covid-19 na cidade caíram 62% e os novos casos despencaram 65%, segundo a prefeitura. A cidade paulista já tinha sido alvo de Bolsonaro em uma live realizada em abril.

Fachin não libertou mais de 30 mil presos

A gente lamenta o que acontece, uma participação do ministro Fachin que proibiu os policiais de fazer operações em comunidades [no Rio de Janeiro], sobrevoo de helicópteros nessas áreas também e se nao me engano foi o próprio Fachin que libertou mais de 30 mil vagabundos por ocasião da pandemia."
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em sua live semanal

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin determinou, de fato, a suspensão de operações policiais nas favelas do Rio durante a pandemia, à exceção de situações excepcionais, desde que justificadas e comunicadas ao Ministério Público do estado. A decisão, em caráter provisório, ocorreu em junho do ano passado e foi referendada pelo plenário da Corte no mês de agosto. No entanto, não há menção à proibição de voo de helicópteros nas áreas.

Fachin mencionou no documento a morte de João Pedro Mattos, de 14 anos, quando a casa onde ele se encontrava foi invadida por policiais durante operação no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio, em maio de 2020. O corpo do garoto foi levado por um helicóptero policial sem que a família tivesse autorização para acompanhá-lo ou fosse informada sobre seu paradeiro durante horas.

Não é verdade que Fachin libertou mais de 30 mil presos, como afirmou Bolsonaro. O ministro do STF determinou, em dezembro passado, que presidiários do grupo de risco da covid-19 em regime semiaberto pudessem cumprir a pena em prisão domiciliar. A decisão atendeu um pedido de habeas corpus coletivo feito pela Defensoria Pública da União e relativa apenas aos detentos que estivessem em unidades superlotadas.

Fachin também defendeu que juízes locais pudessem substituir as prisões preventivas ou temporárias pelo regime domiciliar ou mesmo liberdade provisória, mediante cumprimento de medidas cautelares como o uso da tornozeleira eletrônica.A decisão de Fachin seguiu uma recomendação do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), de março de 2020, que orienta juízes a reverem casos de presos que pertencem a grupos de risco ou mesmo que estejam no fim da pena, desde que não tenham cometido crimes violentos (roubo seguido de morte, homicídio e estupro) ou que sejam parte de organizações criminosas.

O CNJ elaborou a recomendação para tentar reduzir o contágio por covid-19 no sistema penitenciário. Um levantamento do próprio órgão afirma que, entre março e junho de 2020, ao menos 32,5 mil presos foram libertados por causa das recomendações. No entanto, as decisões foram de juízes em todo o país, e não de Fachin. Um boato similar circulou em junho do ano passado, como mostra esta checagem do Estadão Verifica.

Na live de hoje, Bolsonaro também alegou que houve fraude nas eleições presidenciais de 2014 e 2018, mas não há provas disso. Leia aqui a checagem sobre este assunto.

UOL Confere