Topo

Seis vítimas do massacre em Suzano são veladas juntas em ginásio

Carolina Monteiro e Talita Marchao*

Do UOL, em Suzano (SP)

2019-03-14T06:21:48

2019-03-14T13:30:07

14/03/2019 06h21Atualizada em 14/03/2019 13h30

Os corpos de quatro estudantes e de duas funcionárias assassinados no massacre que aconteceu na manhã de ontem em Suzano (Grande São Paulo) são velados desde as 7h de hoje na Arena Suzano.

Os alunos Caio Oliveira, 15, Claiton Antonio Ribeiro, 17, Kaio Lucas da Costa Limeira, 15 e Samuel Melquiades Silva Oliveira, 16, e as funcionárias Marilena Ferreira Vieira Umezo, 59, e Eliana Regina de Oliveira Xavier, 38, são seis das dez vítimas do ataque a tiros.

Os corpos dos assassinos, Guilherme Taucci Monteiro e Luiz Henrique de Castro, serão velados em Mogi das Cruzes, cidade a cerca de 17 quilômetros de Suzano.

As famílias das seis vítimas estão em espaços reservados, enquanto o restante dos presentes podem prestar condolências em um corredor, cercado com grades. Os caixões estão abertos. A imprensa está em uma área separada dos familiares.

Com exceção do corpo de Marilena, os das outras cinco vítimas serão sepultados hoje, no fim da tarde. O filho de Marilena está voltando da China para o enterro da mãe.

Os cortejos começam às 15 horas. Todos os enterros serão realizados em jazigos coletivos do Cemitério São Sebastião. O corpo de Marilena continuará sendo velado na Igreja Matriz São Sebastião.

"Não parece real"

Na entrada da Arena Suzano, onde os corpos são velados, estudantes da escola que sobreviveram ao ataque chegaram cedo, acompanhados dos pais. Nas rodas de amigos, muito choro e emoção.

Durante a cerimônia, uma das funcionárias desabafou: "Não vai ter aula na escola enquanto não tiver segurança. Vamos reunir todos os pais da escola. Aquela escola é um perigo, não tem saída", disse.

Alunos que escaparam do ataque comentavam entre os amigos: "Parece coisa de filme. Não parece real".

Com pouco mais de uma hora do início do velório, as entradas do ginásio foram fechadas para a população por excesso de pessoas. A organização pediu que os que não são familiares das vítimas acompanhem as cerimônias das arquibancadas. Até as 10h30, cerca de 5 mil pessoas passaram pela Arena Suzano para acompanhar o velório.

Segundo a prefeitura, cerca de 50 profissionais da rede municipal de saúde fazem o atendimento aos familiares durante a cerimônia, entre eles restando médicos psicólogos, terapeutas e assistentes sociais.

O prefeito de Suzano, Rodrigo Kenji Ashiuchi (PR), chegou por volta das 6h30, quando a arena foi aberta. Ele vem acompanhado da primeira-dama, Larissa Ashiuchi.

O ministro da educação, Ricardo Vélez Rodriguez, chegou por volta das 8h. Em seu perfil no Twitter, ele disse hoje que está na cidade para "entender e buscar maneiras de impedir que isso se repita".

Outras vítimas

O corpo do comerciante Jorge Antônio de Moraes, 51, que foi a primeira vítima do sobrinho Guilherme Taucci Monteiro, 17, está sendo velado em outro local desde às 5h e será enterrado no cemitério Colina dos Ipês, em Suzano.

O corpo do estudante Douglas Murilo Celestino, de 16 anos, está sendo velado desde a 00h30 em uma igreja evangélica na cidade. Ele vai ser enterrado às 16h também no cemitério Colina dos Ipês.

*Colaborou Camila Rodrigues da Silva, em São Paulo

Errata: o texto foi atualizado
14/03/2019 às 09h00
O nome do prefeito de Suzano foi escrito inicialmente de forma equivocada. O correto é Rodrigo Kenji Ashiuchi.