Topo

"É meu sobrinho", disse dono de loja após ser baleado no massacre de Suzano

Mauricio Sumiya/Futura Press/Folhapress
Fachada da concessionária Jorginho Veículos, onde o proprietário Jorge Antonio de Moraes foi morto em Suzano Imagem: Mauricio Sumiya/Futura Press/Folhapress

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

2019-03-14T00:07:42

14/03/2019 00h07

Antes de matar cinco alunos e dois funcionários na Escola Estadual Raul Brasil em Suzano ontem, Guilherme Taucci Monteiro, 17, foi à loja do tio, Jorge Antonio Morais, 51, e perguntou por ele. Na sequência, disparou três vezes e seguiu para a escola.

"É meu sobrinho", disse Morais, baleado nas costas, segundo relato de Rogers Evangelista Santos, 19, lavador de carros no estabelecimento de Jorge - a Jorginho Veículos.

Jorginho foi socorrido e levado ao Hospital das Clínicas, na capital, em estado gravíssimo, e não resistiu aos ferimentos. A morte foi confirmada no início da tarde pelo secretário da Segurança Pública, o general reformado João Camilo Pires de Campos.

Agora, a Polícia Civil que reúne informações para entender a motivação do ato -- que parece ter sido premeditado.

Objetos recolhidos

Ao lado do corpo de Guilherme, que, segundo os policiais, se suicidou, a polícia apreendeu diversos objetos:

Além disso, a polícia localizou na escola granadas de fumaça e coqueteis molotov artesanais.

Carro alugado

Guilherme estava acompanhado do vizinho Luiz Henrique de Castro, 25. A dupla utilizou um carro branco na ação.

Ainda não está clara a origem do veículo, um Ônyx branco. Inicialmente, chegou a se dizer que o automóvel teria sido roubado da loja de Jorge. Mas a polícia apurou que o veículo tem placa de Belo Horizonte e está em nome da Localiza/ Rent a Car.

Depois de sair da loja, Guilherme e Luiz Henrique foram até a escola Raul Brasil, distante cerca de 800 metros dali.

Lá, mataram estudantes de 15 a 17 anos e duas funcionárias da escola, de 38 e de 59 anos.

Quando tentavam entrar em uma sala com outros adolescentes, policiais militares se aproximaram. Guilherme atirou em Luiz e, na sequência, cometeu suicídio.

O caso foi registrado na delegacia seccional de Suzano. O Boletim de Ocorrência foi finalizado no fim da tarde.

O velório das vítimas terá início às 7h desta quinta-feira (14) no parque Max Feffer, em Suzano. A previsão é de que o velório continue na igreja matriz São Sebastião e que o enterro ocorra até 10h de sexta-feira no cemitério São Sebastião.

Mais Cotidiano