Topo

Em 19 anos, 27 PMs da Rota foram assassinados, apenas um durante o serviço

Movimentação de policiais no local onde o cabo da Rota Fernando Flávio Flores, 38, foi morto, no último sábado (4), em Interlagos, zona sul de São Paulo - Marcelo Gonçalves/Sigmapress/Estadão Conteúdo
Movimentação de policiais no local onde o cabo da Rota Fernando Flávio Flores, 38, foi morto, no último sábado (4), em Interlagos, zona sul de São Paulo
Imagem: Marcelo Gonçalves/Sigmapress/Estadão Conteúdo

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

08/05/2019 04h02Atualizada em 08/05/2019 10h46

Resumo da notícia

  • Entre 2000 e 2019, Rota matou 1.222 suspeitos, sendo 1.183 em supostos confrontos com PMs em serviço
  • No mesmo período, 27 policiais da Rota foram assassinados, sendo 26 durante a folga; o único morto em serviço no período foi em maio de 2000
  • Reportagem apurou que policiais prometeram três criminosos mortos para cada PM assassinado a mando do crime organizado
  • Para ouvidor, as mortes recentes de dois PMs da Rota ocorreram por suas ações a serviço do batalhão

Em menos de duas semanas, dois policiais militares da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), batalhão especial da corporação, foram assassinados, durante a folga, em represálias feitas a mando do PCC (Primeiro Comando da Capital). As mortes de ambos exemplificam uma série histórica de como PMs do batalhão matam e morrem em São Paulo.

Dados da PM (Polícia Militar), obtidos pelo UOL via Lei de Acesso à Informação, apontam que, entre janeiro de 2000 e março de 2019, policiais da Rota mataram 1.222 suspeitos, sendo 1.183 em serviço e 39 durante a folga. Somente em março deste ano, PMs do batalhão mataram oito suspeitos em uma ação em Guararema (SP). Na mesma ação, outros três foram mortos por outras equipes policiais.

Na maioria dos boletins de ocorrência de mortes causadas pela Rota existe uma frase em comum: "os militares foram recebidos a tiros e revidaram à injusta agressão". O último policial da Rota morto em serviço foi atingido em um destes confrontos, em maio de 2000. Desde lá até maio deste ano, foram 26 policiais do batalhão assassinados, sempre durante a folga.

Série violenta

PM Daniel Gonçalves Correa - Reprodução/Facebook
PM Daniel Gonçalves Correa
Imagem: Reprodução/Facebook
Na noite de 25 de abril, o cabo Daniel Gonçalves Correa, 43, foi assassinado com tiros à queima-roupa em Santos (SP). Ele estava sem farda e em um evento de divulgação de um empreendimento imobiliário. Um dia antes do assassinato, ele teve de ir a uma audiência judicial porque respondia a um processo de homicídio contra um suposto membro do PCC.

Um dia depois da morte do cabo Correa, três suspeitos foram mortos na Baixada Santista pela Rota, que mais uma vez alega ter sido atacada.

PM Fernando Flávio Flores - Reprodução/Facebook
PM Fernando Flávio Flores
Imagem: Reprodução/Facebook
Na manhã do último sábado (4), o cabo Fernando Flávio Flores,38, foi assassinado ao sair de casa, no bairro de Interlagos, zona sul da capital, ao ser atingido por dezenas de tiros disparados com armas de grosso calibre. O MP (Ministério Público) entende que as duas mortes ocorreram em represália à ação que teve apoio da Rota em Guararema.

Um dia depois da morte do cabo Flores, a Rota matou novamente três suspeitos: dois na região oeste e um na região sul da capital. No local das operações, militares do batalhão ameaçaram prender jornalistas que tentassem fazer imagens da ocorrência.

A reportagem apurou que, após as mortes dos dois cabos da Rota, integrantes do batalhão querem passar um recado ao PCC: "para cada um dos nossos, três deles". A Corregedoria da PM apura se houve excessos nas mortes ocorridas após os assassinatos dos militares.

Em nota, a SSP (Secretaria da Segurança Pública) informou que "os casos citados pela reportagem estão em investigação para apurar todas as circunstâncias das ocorrências".

A morte de Correa é investigada pela DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Santos, "que realiza diligências para identificar e prender o autor do crime". O DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa) investiga a morte de Flores. "Foram realizadas apurações no local, assim como colhido depoimento de testemunhas. As investigações prosseguem para esclarecer o caso".

PM da Rota foi assassinado a tiros na frente de casa, em Interlagos

UOL Notícias

Mortos na folga, mas em função de ser PM

Para o ouvidor das polícias de São Paulo, Benedito Mariano, apesar de terem sido assassinados durante a folga, os cabos Correa e Flores foram vítimas pelo que faziam em serviço.

"Tudo indica que houve retaliação por ocorrências envolvendo a Rota. Então, tem vinculação com o trabalho policial. Instauramos procedimento na ouvidoria para acompanhar investigação", afirmou.

Benedito Mariano, ouvidor das polícias de SP - Rafael Roncato/UOL
Benedito Mariano, ouvidor das polícias de SP
Imagem: Rafael Roncato/UOL

Para a diretora do FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública), Samira Bueno, "a boa notícia é que praticamente não temos policiais de Rota mortos no horário de trabalho. Isso mostra que, de algum modo, a corporação, o apoio da equipe e os equipamentos de proteção estão sendo capazes de protegê-los".

"Sobre os confrontos, chama a atenção o número de registros nos três primeiros meses deste ano. Se continuar nesse padrão, teremos um aumento expressivo da letalidade em 2019", complementou. Segundo a SSP, a letalidade policial subiu 8% no primeiro trimestre deste ano.

Ciclo de vinganças

Sérgio Adorno, coordenador do NEV-USP - 30.amr.2018 - Avener Prado/Folhapress
Sérgio Adorno, coordenador do NEV-USP
Imagem: 30.amr.2018 - Avener Prado/Folhapress
Sérgio Adorno, coordenador do NEV-USP (Núcleo de Estudos da Violência da USP), afirma que a tendência é de que haja "um ciclo de vinganças".

Dois PMs mortos, em circunstâncias absolutamente inaceitáveis, e isso vai estimulando o ciclo de violência. Mas o policial não pode agir como o vingador da sociedade. Se for isso, todo mundo vai se achar no direito de usar uma arma e fazer justiça com as próprias mãos.
Sérgio Adorno, coordenador do NEV-USP

Sobre a informação de que os policiais costumam justificar tiroteios ao afirmar que são recebidos nos locais a tiros, a juíza do TJ (Tribunal de Justiça) Ivana David aponta que "nesses confrontos, as testemunhas são os policiais militares que sobreviveram. A vítima morreu, então a gente nunca vai ter a alegação dela. E o que vai dizer se eles foram os não recebidos a tiros é a prova pericial".

45 mortos em maio de 2006; queda em 2013

De acordo com os dados da PM obtidos pela reportagem, 2000 foi o ano em que PMs da Rota mais mataram (106) e que mais PMs do batalhão morreram de forma violenta (5). De lá para cá, houve alguns picos de mortes. A média geral de mortos por PMs da Rota é de 64 por ano. Enquanto a média de PMs do batalhão mortos é de 1,4 por ano.

Em 2006, após uma rebelião coordenada pelo PCC, houve uma série de atentados da facção contra membros das forças de segurança pública estaduais. Ao todo, 564 pessoas morreram de forma violenta naquele mês. 59 agentes de segurança, e 505 civis. Naquele ano, a Rota matou 85. Desse total, 45 apenas no mês de maio. Como base de comparação, a Rota matou 43 durante todo o ano de 2007, e 49 em 2008.

Durante a gestão do procurador Fernando Grella Vieira, entre 2012 e 2014, houve um período de baixa, tanto de PMs da Rota mortos, quanto de suspeitos mortos por membros do batalhão. 2013 foi o ano menos letal do batalhão desde 2005.

Em 2017, o ano mais letal das polícias de São Paulo desde 1996, quando a SSP passou a contabilizar os dados, a Rota matou 67 pessoas, sendo 62 durante o serviço. Em contraponto, naquele ano, nenhum PM do batalhão foi assassinado.

Na manhã desta segunda-feira (6), o governador João Doria prestou solidariedade às famílias dos policiais mortos: "Destaco que não vi nenhuma entidade de direitos humanos se manifestando sobre a morte desses policiais. Toda a polícia e a inteligência estão mobilizadas neste caso".

Em nota, a SSP informou que "defende a investigação rigorosa de todas as ocorrências e tem trabalhado para reduzir os casos de morte em decorrência de intervenção policial. A fim de garantir maior eficácia nas investigações de mortes em decorrência de intervenção policial, a SSP editou a Resolução SSP 40/2015, que determina o comparecimento das Corregedorias e dos Comandantes da região, além de equipe específica do IML (Instituto Médico Legal) e IC (Instituto de Criminalística) nesses casos".

Criminosos serão capturados, afirma comandante da Rota

Band Notí­cias

Mais Segurança pública