Topo

Polícias mataram 881 pessoas em 6 meses no RJ. Nenhuma em área de milícia

8.fev.2019 - Polícia Militar realiza operação no Morro do Fallet no Rio de Janeiro (RJ), nesta sexta-feira (8); durante operação, 14 pessoas foram mortas - BETINHO CASAS NOVAS/ESTADÃO CONTEÚDO
8.fev.2019 - Polícia Militar realiza operação no Morro do Fallet no Rio de Janeiro (RJ), nesta sexta-feira (8); durante operação, 14 pessoas foram mortas
Imagem: BETINHO CASAS NOVAS/ESTADÃO CONTEÚDO

Sérgio Ramalho

Colaboração para o UOL, do Rio de Janeiro

20/08/2019 04h01

Resumo da notícia

  • Levantamento feito pela reportagem do UOL analisa mortes em ações da polícia no RJ
  • Todas as quase 900 ocasiões de homicídio ocorreram em áreas dominadas pelo tráfico
  • Regiões consideradas pela polícia como domínio de milícia não tiveram morte registrada

Levantamento feito pela reportagem do UOL mostra que, das 881 mortes registradas em operações policiais no 1º semestre deste ano no estado do RJ, nenhuma aconteceu em área de domínio da milícia no estado.

A análise do número recorde de homicídios em decorrência de "intervenções de agentes do estado", como o Instituto de Segurança Pública (ISP) descreve as operações policiais, mostra que a política de "abate", defendida pelo governador Wilson Witzel (PSC), se concentrou exclusivamente em áreas sob domínio de facções criminosas ligadas ao tráfico de drogas.

A reportagem considerou áreas de milícia os territórios apontados como domínio de paramilitares, segundo informações dos serviços de inteligência das polícias militar, civil e do Disque-Denúncia.

A constatação é resultado do cruzamento de dados estatísticos do ISP (Instituto de Segurança Pública) --o órgão responsável pela análise dos indicadores de violência no estado-- com pesquisas do Observatório de Segurança RJ, do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, e ainda relatos de moradores e entrevistas com especialistas em Segurança Pública.

De janeiro a junho deste ano, 881 suspeitos foram mortos em operações policiais no estado --o maior número registrado nos últimos 17 anos. Desse total, 813 vítimas viviam na capital ou em cidades da região metropolitana, com destaque para Niterói, São Gonçalo e Belford Roxo.

As outras 68 mortes em ações policiais aconteceram de forma pulverizada em municípios da Costa Verde, onde fica Angra dos Reis, e das regiões dos Lagos, com cidades como Cabo Frio e Búzios, e Serrana, como Teresópolis, entre outros locais.

Ao UOL, a assessoria do governo do estado afirma "não fazer distinção entre criminosos, sejam eles integrantes de facções do narcotráfico ou de quadrilhas de milicianos. A determinação é combater as organizações criminosas com igual rigor. As mortes em intervenções de agentes do estado ocorreram nos locais onde houve resistência armada às ações policiais".

O Ministério Público do Rio de Janeiro não informou o número de procedimentos em tramitação no órgão para apurar supostos excessos nas ações policiais.

A Polícia Militar e o governo do estado também não responderam sobre a quantidade de armamento e munição encontrada com os mortos no primeiro semestre deste ano.

Helicóptero da polícia com Witzel dispara contra comunidade em Angra dos Reis (RJ)

Band Notí­cias

O levantamento

Para identificar os locais onde ocorreram as mortes de suspeitos em ações policiais, a reportagem analisou os registros por Área Integrada de Segurança Pública (Aisp) e posteriormente pelas delegacias de cada localidade. Segundo esse estudo, os mortos nas intervenções de agentes do estado estavam no entorno ou em comunidades sob domínio de traficantes --em especial, do Comando Vermelho (CV).

Em uma das favelas sob influência da facção criminosa foi registrada o maior número de mortos numa única ação policial no estado: 15 pessoas nas comunidades do Fallet e Fogueteiro, em fevereiro passado.

Milícia

Em regiões onde há predomínio de grupos paramilitares não há registros de mortos em decorrência de intervenções de agentes do estado. O caso mais emblemático é o da Aisp 18 (Jacarepaguá, na zona oeste), em que as mortes de suspeitos em supostos confrontos foram registradas apenas nas três comunidades sob influência de traficantes: Cidade de Deus, Covanca e Chacrinha, onde Allan dos Santos Gomes, de 15 anos, morreu após ser baleado durante ação policial, em janeiro passado. De acordo com a família, o adolescente era autista. Já a PM afirma que ele era ligado ao tráfico. Na ocasião, outros dois jovens também foram mortos.

Maior reduto da facção criminosa CV na Área Integrada 18, a Cidade de Deus foi o principal alvo de operações policiais no Rio. Pesquisa do Observatório de Segurança RJ aponta que, das 364 operações realizadas na capital no primeiro semestre, 18 aconteceram na Cidade de Deus, onde foram registradas 16 mortes, segundo as estatísticas oficiais.

Em junho passado, durante visita a Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, o governador Witzel disse que, "se estivesse em outros lugares do mundo, nós tínhamos autorização para mandar um míssil naquele local e explodir aquelas pessoas".

Cientista social e coordenadora do Observatório de Segurança, Sílvia Ramos diz que as operações policiais este ano estão mais frequentes, mais letais e mais assustadoras em relação ao ano passado.

"As operações cresceram 42%, e a letalidade dessas ações aumentou 46%. O Rio está repetindo o pior de suas políticas de segurança dos últimos 20 anos, com predominância dos tiroteios e confrontos. Governadores de triste memória para o Rio, Moreira Franco (MDB) e Marcello Alencar (PSDB, morto em 2014), também disseram, no início de suas gestões, que com eles os criminosos não teriam vez. Adotaram as políticas do confronto e o Rio entrou na escalada da expansão das armas que conhecemos", diz.

Polícia tenta sequestrar bens e prender integrantes da maior milícia do RJ

Band News

Números

Os números de registros de mortes de suspeitos em intervenções de agentes do estado vêm batendo sucessivos recordes. Na comparação do primeiro semestre deste ano com o mesmo período de 2018, o aumento foi de 14,6%.

É no detalhamento por área integrada, porém, que as estatísticas ganham um contorno mais alarmante. É o caso da Aisp 14 (Bangu), que congrega outros nove bairros. A região registrou 76 mortes de suspeitos em ações da polícia no primeiro semestre, 60 a mais do que havia sido computado no mesmo período de 2018.

Em Niterói, do outro lado da Baía de Guanabara, houve um salto de 24 vítimas fatais, entre janeiro e junho de 2018, para 73 no mesmo período deste ano. Assim como em Bangu, as mortes aconteceram em comunidades sob domínio de traficantes de drogas.

Vítimas

No último dia 12, o adolescente Dyogo Costa Xavier de Brito, 16, morreu após ter sido atingido por um tiro de fuzil durante operação na favela da Grota do Surucucu, em São Francisco, Niterói. Jogador das categorias de base do América-RJ, o jovem estava indo para o treino quando foi baleado.

Na semana em que Dyogo foi morto, em meio a uma ação policial outros cinco jovens também perderam as vidas ao serem baleados em comunidades do estado.

Anel com imagem do Batman é apreendido pela polícia do Rio com integrante da milícia Liga da Justiça - Rafael Moraes/Agência O Globo
Anel com imagem do Batman é apreendido pela polícia do Rio com integrante da milícia Liga da Justiça
Imagem: Rafael Moraes/Agência O Globo

"Tragédia todos os dias"

Para Sílvia Ramos, o resultado dessa política será o aumento das mortes de inocentes. "Se a polícia continuar atirando sem se preocupar com os habitantes dos locais, vamos viver tragédias inaceitáveis todos os dias", ressalta a cientista social, se referindo às recentes mortes de seis jovens. A coordenadora do Observatório de Segurança chama a atenção para a expansão das milícias, sobretudo, a partir de meados de 2018.

"O crescimento das milícias é o principal problema de criminalidade organizada que o estado enfrenta hoje. O Rio exporta o fenômeno das milícias para outros estados e só a cúpula de segurança fluminense não percebeu ainda que este é o nosso maior desafio de violência e criminalidade", conclui.

Especialista em Segurança Pública e diretor da Associação Brasileira de Profissionais de Segurança, Vinícius Domingues, concorda que as milícias representam maior risco na atual conjuntura. Para ele, não haver registros de mortes em ações da polícia em áreas sob domínio de milicianos só corrobora a relação promíscua entre paramilitares e agentes do estado. "É importante frisar que geralmente o tráfico, sobretudo o CV, reage a tiros à aproximação da polícia. O que não acontece nas áreas sob controle de milicianos", acredita.

De acordo com o governo do estado, a Secretaria de Polícia Civil vem intensificando as investigações que apuram a atuação de organizações criminosas de milícia. "Só em julho mais de 60 milicianos foram presos em ações da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas (Draco) e de outras delegacias. O governo também ampliou o Departamento de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e Lavagem de Dinheiro, que aumentou o número de investigações em mais de 700% neste ano".

Segurança pública