PUBLICIDADE
Topo

Segurança pública

Conteúdo publicado há
1 mês

Suspeito por morte de genro de Castor de Andrade é preso na Bahia

Alberto Maraux/ASCOM/SSP-BA
Imagem: Alberto Maraux/ASCOM/SSP-BA

Do UOL, em São Paulo

12/01/2021 21h57Atualizada em 12/01/2021 21h58

Um homem suspeito de envolvimento na morte do contraventor Fernando Iggnácio de Miranda, em novembro do ano passado, foi preso hoje durante ação conjunta das polícias Civil e Militar da Bahia e do Rio de Janeiro. Ele estava escondido em uma pousada, na cidade baiana de Canavieiras, na região sul do estado.

Miranda foi assassinado em uma emboscada no estacionamento de um heliporto no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio. À época, o UOL teve acesso a fotos da cena do crime, que mostram a vítima caída ao lado de um Mini Cooper vermelho após ter sido atingida por tiros de fuzil na cabeça.

O foragido foi localizado por equipes da 6ª e 7ª Coorpins (Coordenadorias Regionais de Polícia do Interior (Coorpins) e da 71ª CIPM (Companhia Independente de Polícia Militar) após ações de inteligência e de uma ligação anônima para o Cicom (Centro Integrado de Comunicações). Um outro homem encontrado com o suspeito também foi detido.

Os dois foram encaminhados para a sede da 7ª Coorpin, em Ilhéus, onde o suspeito foi identificado e o mandado de prisão, cumprido. Após exames no DPT (Departamento de Polícia Técnica), ele ficará à disposição da polícia carioca.

"Trabalhamos em parceria com as forças de segurança dos outros estados, visando sempre o combate ao crime organizado. As equipes de Ilhéus e Itabuna, com apoio da PM, vão apurar se ele só se escondia na Bahia ou se praticava algum tipo de crime", disse o diretor do Depin (Departamento de Polícia do Interior), delegado Flávio Góis.

Disputa por território

A disputa pelo controle da contravenção na zona oeste do Rio é a principal linha de investigação da morte de Fernando Iggnácio de Miranda. Segundo investigações da Polícia Federal, mais de 50 assassinatos até 2007 são atribuídos à guerra da contravenção.

Em 1998, o assassinato de Paulo Andrade, o Paulinho, escolhido como herdeiro do jogo do bicho, fez com que Miranda, seu cunhado, assumisse o lugar dele na disputa.

Meses depois, a polícia identificou como autor dos disparos o ex-PM Jadir Simeone Duarte. Em depoimento, Duarte acusou Rogério de ser o mandante do crime. O próprio Rogério foi vítima de uma tentativa de assassinato.

Em 2007, Miranda foi preso pela Polícia Civil do Rio. Meses depois, Rogério Andrade foi pego pela Polícia Federal. Naquele mesmo ano, Rogério Andrade e Miranda foram alvo da operação Gladiador, da PF, que investigou o esquema da dupla e a corrupção de policiais no Rio.

Segurança pública