PUBLICIDADE
Topo

Segurança pública

Conteúdo publicado há
1 mês

Polícia de SP fecha boate sem alvará e apura se há relação com morte de PM

Boate Helipa Lounge, em Heliópolis, foi fechada pela Polícia Civil neste sábado (12) - Divulgação
Boate Helipa Lounge, em Heliópolis, foi fechada pela Polícia Civil neste sábado (12) Imagem: Divulgação

Juliana Arreguy

Do UOL, em São Paulo

12/06/2021 19h48

A Polícia Civil de São Paulo fechou hoje (12) a boate Helipa Lounge, em Heliópolis, na zona sul da capital paulista após cumprir mandados de busca e apreensão no local. A corporação também investiga se o soldado Leandro Patrocínio, 30 anos, esteve no estabelecimento antes de desaparecer.

A ação foi divulgada pela TV Band e confirmada pelo UOL. O policial militar Leandro Patrocínio teve o corpo encontrado no último sábado (5) em um terreno próximo da favela de Heliópolis após ter desaparecido no dia 29 de maio.

Segundo o colunista do UOL Josmar Jozino, o relógio do PM foi encontrado em um sobrado ao lado da Helipa Lounge. No local havia uma corrente de ferro e manchas de sangue em um colchão. A polícia investiga se a casa funcionava como cativeiro.

De acordo com o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, do Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas), que acompanhou toda a ação da tarde de hoje, a polícia apreendeu vários eletrônicos na boate, incluindo computadores e equipamentos de som. Todos os equipamentos apreendidos foram encaminhados para o 95º DP.

Nas paredes do local constavam fotografias de criminosos famosos, como o traficante Pablo Escobar e o mafioso Al Capone. A casa noturna foi lacrada com blocos de pedras.

Investigações apontam que Leandro gastou R$ 12,00 no cartão e que poder ter ido a um baile funk antes de desaparecer. Ele foi visto pela última vez descendo da estação Sacomã do metrô paulista, no dia 29, e caminhando sozinho até a favela de Heliópolis.

Há uma semana, em postagem no Instagram, a boate Helipa Lounge afirmou que o cartão do policial nunca foi passado no estabelecimento e que isso poderia ser comprovado por meio dos extratos das vendas.

Segurança pública