Topo

Novo papa já foi escolhido por cardeais; fumaça branca sai de chaminé da capela Sistina

Fumaça branca sai da chaminé da Capela Sistina, no Vaticano, nesta quarta-feira (13), sinal de que os cardeais escolheram o novo papa - Reprodução
Fumaça branca sai da chaminé da Capela Sistina, no Vaticano, nesta quarta-feira (13), sinal de que os cardeais escolheram o novo papa Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

13/03/2013 15h07

Após 13 dias da renúncia de Bento 16, a quinta votação do conclave, realizada na tarde desta quarta-feira (13), terminou com a escolha do novo papa. Por volta das 19h05 (15h05 do horário de Brasília), uma fumaça branca saiu da chaminé da capela Sistina, indicando que os cardeais chegaram a um consenso sobre o próximo líder da Igreja Católica Apostólica Romana.

Escolha do novo papa

  • Veja todos os passos do conclave

  • Glossário da Igreja Católica

  • Duração dos últimos conclaves

Os sinos da basílica de São Pedro confirmaram que o novo pontífice recebeu ao menos dois terços dos votos dos cardeais e já aceitou a missão de comandar a Santa Sé.

O anúncio dos nomes de batismo e pelo qual será conhecido o sucessor de Bento 16 será feito na sacada da basílica de São Pedro, com a famosa frase: "Habemus Papam!".

A escolha foi realizada por 115 cardeais, sendo cinco brasileiros: dom Raymundo Damasceno Assis, 76; dom Odilo Scherer, 63; dom Geraldo Majella Agnelo, 79; dom Cláudio Hummes, 78; e dom João Braz de Aviz, 64.

Estavam aptos a votar apenas os cardeais com menos de 80 anos. A presença deles, segundo o Vaticano, era obrigatória. No entanto, dois eleitores conseguiram a dispensa necessária para não participarem da votação, um por motivo de saúde (cardeal indonésio Julius Darmaatjadja) e outro por ter renunciado ao cargo (cardeal britânico Keith O'Brien).

A renúncia

Bento 16 anunciou sua renúncia no dia 11 de fevereiro em um discurso pronunciado em latim durante um encontro de cardeais no Vaticano. Ao justificar sua decisão, o pontífice de 85 anos alegou fragilidade por conta da idade avançada.

O pontífice disse que "no mundo de hoje (...), é necessário o vigor tanto do corpo como do espírito, vigor que, nos últimos meses, diminuiu em mim de tal forma que eis de reconhecer minha incapacidade para exercer bem o ministério que me foi encomendado".

O Vaticano negou que uma doença tenha sido o motivo da renúncia. Mas, segundo o jornal "O Estado de S.Paulo", uma disputa interna de poder praticada por ex-aliados nos últimos meses pode ser uma das razões para a tomada de decisão do pontífice. Esta é a primeira vez na era moderna que um papa da Igreja Católica renuncia ao pontificado.

Já o jornal italiano "La Reppublica" relacionou a renúncia do pontífice a um relatório com cerca de 300 páginas sobre o escândalo do vazamento de documentos confidenciais da Santa Sé --conhecido como Vatileaks--, redigido por três cardeais e entregue a Bento 16 em dezembro de 2012. O Vaticano reconheceu a existência do documento, mas descartou qualquer relação com a decisão do papa.

A renúncia de Bento 16 foi oficializada no dia 28 de fevereiro. Ao se despedir dos cardeais no Vaticano, o papa emérito disse que oferece ao futuro pontífice sua "obediência incondicional". "Entre vocês, do Colédio Cardenalício, está o futuro papa, a quem eu prometo meu respeito incondicional e obediência. Continuarei perto de vocês com orações, especialmente nestes dias [do conclave], para que sejais plenamente dóceis à ação do Espírito Santo na eleição do papa", afirmou.
 

Conclave para escolha do novo papa
Conclave para escolha do novo papa
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','71210', '')

Mais Internacional