PUBLICIDADE
Topo

Eleições Americanas

Conteúdo publicado há
6 meses

Biden ultrapassa Trump na Pensilvânia e fica perto de vencer eleição

Do UOL, em São Paulo

06/11/2020 10h54Atualizada em 06/11/2020 23h59

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, ultrapassou o presidente republicano Donald Trump na apuração dos votos da eleição no estado da Pensilvânia na manhã de hoje, ficando mais perto de conquistar a Casa Branca. Se garantir os 20 delegados do estado, ele soma 273 votos no Colégio Eleitoral —para vencer, o candidato precisa ter 270 delegados. Trump tem 214.

ACOMPANHE A APURAÇÃO EM TEMPO REAL

Com 96% dos votos apurados no estado, às 23h54, Biden aparece com 3.334.451 votos (49,6%), enquanto o republicano tem 3.307.321 (49,2%), segundo o jornal The New York Times. A diferença passou para 27.130 — pouco antes, às 22h30, Biden seguia à frente por 19.491 votos.

Na manhã de hoje, Biden também conseguiu virar a apuração dos votos na Geórgia. O estado, um dos mais importantes a serem conquistados nesta reta final, é um reduto conservador e republicano desde os anos 1990.

Além da Geórgia e da Pensilvânia, há ainda outros quatro estados com o resultado em aberto. Em Nevada (6 delegados) e Arizona (11), Biden lidera, mas a distância para Trump vem caindo.

Nos outros dois estados, a liderança provisória é do atual presidente: Alasca (3) —onde ele vai vencendo com ampla margem — e Carolina do Norte (15) — onde a distância entre os candidatos vem diminuindo.

Os Estados Unidos não têm um órgão oficial que divulga, em tempo real, os resultados das urnas, como o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no Brasil. Por isso, as projeções da imprensa são relevantes na divulgação da conquista dos delegados.

Estado é novamente decisivo

A disputa na Pensilvânia começou com o democrata liderando com boa vantagem no início da apuração, mas Trump virou o jogo quando cerca de um quarto dos votos já haviam sido contabilizados e chegou a abrir vantagem de mais de 10 pontos percentuais na noite da eleição.

O estado, de população majoritariamente branca, é novamente decisivo para a escolha do presidente americano — em 2016, Trump conquistou os delegados de lá, o que ajudou a garantir sua vitória sobre a democrata Hillary Clinton.

De acordo com o colunista do UOL Vicente Toledo, assim como há quatro anos, a Pensilvânia está dividida entre republicanos em áreas rurais e democratas em grandes cidades e subúrbios, mas a principal diferença agora é o volume recorde de votos pelo correio, impulsionados pela pandemia do novo coronavírus, que tem causado atraso na divulgação dos resultados.

Entre os votos que ainda faltam ser contabilizados na Pensilvânia, a expectativa é de que a grande maioria favoreça Biden.

Trump pede para suspender contagem

A equipe de campanha de Trump entrou com um pedido ontem para interromper a contagem dos votos na Filadélfia, cidade da Pensilvânia, enquanto observadores republicanos não estivessem presentes, mas a ação foi negada por um juiz federal.

A mesma estratégia foi utilizada na Geórgia e em Michigan, mas também acabou derrotada.

Em pronunciamento ontem, o republicano voltou a dizer que os votos enviados pelo correio são fraudados. Sem apresentar provas, afirmou que o envio de votos pelo correio é corrupto e "destruiu o sistema" eleitoral nos Estados Unidos.

Trump culpou os democratas pela suposta fraude no correio e se referiu ao partido como uma "máquina corrupta".

Eleições Americanas