Conteúdo publicado há 3 meses

Eleição na Argentina: Milei vence segundo turno e é eleito presidente

Javier Milei, economista de ultradireita, venceu o segundo turno nas eleições presidenciais argentinas, realizadas neste domingo (19). O resultado foi informado por volta de 20h20 pela Dirección Nacional Electoral da Argentina. Com 99% dos votos apurados às 23h, Milei registrava 55,69% dos votos.

O que aconteceu

Milei foi anunciado vencedor das eleições presidenciais da Argentina por volta de 20h20 deste domingo. A apuração dos votos seguia em curso, mas, com cerca de 90% dos votos apurados na altura, Milei já estava matematicamente eleito.

Às 23h, 99% dos votos já estavam apurados. Milei registrava 55,69%, contra 44,30% de Sergio Massa.

A larga diferença entre os candidatos, de mais de 10 pontos percentuais, surpreendeu observadores eleitorais. Pesquisas de intenção de voto mostravam uma distância menor entre os candidatos. Assessor de Milei declarou ao UOL que a equipe do presidente eleito não esperava uma vantagem tão grande.

No primeiro turno, Milei havia ficado atrás de Massa. Mas um terço dos eleitores argentinos haviam votado em outros candidatos e eram considerados cruciais para definir o resultado deste domingo.

Em comparação com o primeiro turno, Milei conquistou mais de 6 milhões de votos a mais, um acréscimo de mais de 70%. No primeiro turno, teve 7,9 milhões. No segundo, com pouco mais de 95% dos votos computados, 13,9 milhões.

Já Massa aumentou sua votação em cerca de 1,4 milhão de voto, ganho de menos de 15%. Conquistou 9,6 milhões de votos no primeiro turno. No segundo, pouco mais de 11 milhões, faltando cerca de 5% dos votos para apurar.

Os números mostram que a maior parte dos eleitores que não votaram em nenhum dos dois candidatos no primeiro turno optou por Milei no segundo.

O candidato Sergio Massa, atual ministro da Economia da Argentina e peronista do União pela Pátria, reconheceu a derrota antes mesmo do anúncio oficial do resultado pela Dirección Nacional Electoral da Argentina.

Continua após a publicidade

Os argentinos escolheram outro caminho. A partir de amanhã, a tarefa de dar certezas e transmitir garantias sobre o funcionamento social, político e econômico é responsabilidade do presidente eleito. Esperamos que o faça
Sergio Massa, ao reconhecer a derrota para Milei

Milei discursou pouco antes das 22h. Disse que começava "a reconstrução da Argentina".

Hoje começa o fim da decadência argentina. Hoje começamos a virar a página. Hoje termina o modelo do Estado onipresente e empobrecedor.
Javier Milei, presidente eleito da Argentina

Às 20h40, Lula, presidente brasileiro, comentou o resultado das eleições na Argentina: "Desejo boa sorte e êxito ao novo governo. A Argentina é um grande país e merece todo o nosso respeito".

Página oficial da apuração das eleições argentinas, às 21h, mostrando vitória de Milei
Página oficial da apuração das eleições argentinas, às 21h, mostrando vitória de Milei Imagem: Reprodução/Dirección Nacional Electoral da Argentina

Continua após a publicidade

Quem é Milei

O novo presidente da Argentina é considerado um outsider na política. Foi eleito deputado federal em 2021 e ficou conhecido por participações em talk shows.

Milei se declara "anarcocapitalista", corrente ultraliberal que defende privatizações e ausência do Estado.

Uma de suas propostas polêmicas é dolarizar a economia e abandonar o desvalorizado peso argentino. Já falou em fechar o Banco Central e facilitar a posse de armas de fogo para a população. Chamou as mudanças climáticas de "farsas da esquerda" e considera a educação sexual como uma manobra para destruir a família.

Continua após a publicidade

As relações com o Brasil são uma incógnita. Milei chegou a declarar que, se eleito, a Argentina deixaria o Mercosul. Também afirmou que não se reuniria com Lula. O ex-presidente Jair Bolsonaro apoiou Milei nas eleições argentinas.

19.nov.2023 - Apoiadores de Javier Milei se reuniram para aguardar resultado das eleições na Argentina
19.nov.2023 - Apoiadores de Javier Milei se reuniram para aguardar resultado das eleições na Argentina Imagem: Amanda Cotrim/Colaboração para o UOL

Números das eleições

O comparecimento às urnas foi baixo, de 76%, segundo a Dirección Nacional Electoral da Argentina. É menos do que o registrado em eleições anteriores e também abaixo do que o visto no primeiro turno (77%).

Continua após a publicidade

No primeiro turno, Massa havia ficado em primeiro lugar, com 36,68% dos votos. Milei, em segundo, teve 29,98%.

A terceira colocada no primeiro turno, Patrícia Bullrich, havia declarado apoio em Milei para o segundo turno. Foi um apoio importante, já que Patrícia obteve um número expressivo de votos: 23,83%. Essa fatia do eleitorado era considerada decisiva para o resultado deste domingo.

O resultado divulgado neste domingo é provisório. A apuração oficial dos votos — em cédulas de papel — só começará a ser feita 48h após o fim das eleições.

O órgão responsável pelas eleições, a Dirección Nacional Electoral, explica que, neste domingo, a contagem de votos anunciada é baseada na somatória do resultado transmitido por cada seção eleitoral, que faz as primeiras contagem das cédulas de votação.

Já para o resultado oficial, haverá a contagem de todas as cédulas pela Justiça Eleitoral, que proclamará o vencedor.

Essa foi a segunda vez na história da Argentina que a decisão sobre o novo presidente foi decidida em segundo turno.

Continua após a publicidade

A primeira foi 2015, quando Mauricio Macri obteve 51,3% — menos, portanto, que a marca alcançada agora por Milei — e derrotou o candidato peronista Daniel Scioli

Milei, novo presidente da Argentina, em votação do segundo turno, em Buenos Aires
Milei, novo presidente da Argentina, em votação do segundo turno, em Buenos Aires Imagem: Agustin Marcarian/Reuters

Comemoração de apoiadores

Apoiadores se reuniram em frente ao QG da campanha de Milei, na Avenida Córdoba, centro de Buenos Aires, para acompanhar a contagem da votação.

Uma hora depois do encerramento das urnas, já cantavam vitória. "Você viu que ganhou Milei", perguntou uma apoiadora para a reportagem do UOL.

Continua após a publicidade

Com os nervos à flor da pele, os militantes gritavam "Vamo, Milei, ca*****". Em tom raivoso, também pediam a prisão de Cristina Kirchner, vice-presidente da Argentina. "Fora Cristina. Cristina na cadeia".

"Eu estou aqui desde 13h para apoiar Milei, nosso futuro presidente", declarou um jovem, aos gritos, segurando um cartaz com os dizeres "Milei Presidente 2023".

"Estou votando em Milei porque não aguento mais que o salário não chegue até o final do mês. Basta de corrupção, Milei é a solução", falou Diego, 17 anos, que mora em La Matanza, grande Buenos Aires. Ele diz apoiar as ideias de Milei. "Menos a privatização da escola pública. Isso não. Mas apoio a dolarização da economia".

Votação de Milei teve confusão

Uma multidão esperou Milei em seu local de votação, um colégio eleitoral no bairro de Almagro, em Buenos Aires. Apesar do aparato de segurança, houve confusão na saída do candidato do local de votação.

Vizinhos do bairro, apoiadores de Massa, gritaram dos edifícios e das ruas "Milei, você é a ditadura". Em debate entre os candidatos no primeiro turno, Milei colocou em dúvida o número de desaparecidos na ditadura Argentina.

Continua após a publicidade

Um desses vizinhos jogou ovos em direção ao carro onde estava Milei.

A militância de Milei reagiu com insultos. Também cantaram: "Massa, lixo, você é a ditadura", em uma inversão do slogan que marcou a campanha dos adversários do agora eleito presidente da Argentina.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes