'Enxame de drones assassinos': armas controladas por IA viram preocupação

A Inteligência Artificial (IA) promete revolucionar a vida humana em diferentes áreas, mas isso também inclui as guerras.

O uso desse tipo de tecnologia em armamentos, veículos e programas de computadores militares já é uma realidade, e tem sido visto na Guerra da Ucrânia. No futuro, drones, torpedos e outros dispositivos podem ser controlados por algoritmos de IA.

Isso significa que esses equipamentos têm a capacidade de localizar, selecionar e atacar alvos humanos ou alvos que carregam seres humanos, sem intervenção humana.
Stuart Russell, professor de ciências da computação da Universidade de Berkeley, em entrevista à AFP

'Drones assassinos'

Na guerra da Ucrânia, drones pilotados de forma remota já estão obrigando tropas a buscar mais refúgios subterrâneos. Um exemplo foram os drones de papelão.

À AFP, Russell afirmou que, na prática, o uso de armas autônomas, controladas por IA, significa que estar visível no campo de batalha será "uma sentença de morte". Ou seja, esses equipamentos poderiam identificar e atingir alvos, incluindo de forma letal.

Em julho, a fachada de um prédio de escritórios na cidade de Moscou (Rússia) foi danificada após um ataque de drone ucraniano
Em julho, a fachada de um prédio de escritórios na cidade de Moscou (Rússia) foi danificada após um ataque de drone ucraniano Imagem: Reuters

Já submarinos, barcos e aviões autônomos podem trazer avanços em termos de monitoramento e apoio logístico em áreas remotas e perigosas.

Preocupação ética

Se, de um lado, as armas autônomas são mais eficientes, mais baratas e desprovidas de emoção, elas também levantam preocupações éticas.

Continua após a publicidade

Uma delas é de que o baixo custo possa levar a um poder ofensivo ilimitado, que inclui a possibilidade de lançamento de milhares dessas armas para dizimar grupos étnicos inteiros, por exemplo.

Além disso, não necessariamente os equipamentos controlados por IA conseguiriam distinguir civis de militares.

Nos EUA, o Pentágono já desenvolve "enxames de drones" —uma rede com centenas ou milhares desses equipamentos funcionando de forma autônoma.

A ideia é de que eles sejam usados para transportar equipamentos de vigilância ou alimentos.

No futuro, porém, eles poderão ser utilizados de forma letal.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora