Topo

Bolsonaro: "Há suspeita que produtor rural esteja tacando fogo"

Amazônia é o bioma mais afetado por incêndios florestais neste ano, diz Inpe - Reuters
Amazônia é o bioma mais afetado por incêndios florestais neste ano, diz Inpe Imagem: Reuters

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

22/08/2019 20h30Atualizada em 22/08/2019 21h44

Após acusar, sem evidências, que ONGs seriam as responsáveis pelas queimadas na região da Amazônia Legal, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou hoje que "há suspeitas" de que produtores rurais estejam por trás dos incêndios que atingem o bioma. Assim como nas acusações contra ONGs, o presidente não apresentou qualquer prova de que produtores estariam envolvidos nas queimadas.

"Ajude-nos a combater isso daí. Você que é da região, você que é fazendeiro. Há suspeita que tem produtor rural que tá agora aproveitando e tacando fogo em geral aí. As consequências vêm pra todo mundo", disse durante transmissão ao vivo nas suas redes sociais.

Durante o vídeo, Bolsonaro voltou a citar as ONGs como hipotéticas responsáveis pelos incêndios, dessa vez também acusando produtores e indígenas. Ao longo da transmissão, o presidente afirmou que incêndios são "comuns", fazendo menção ao estado norte-americano da Califórnia e diferenciando que no Brasil há um "viés criminoso". Antes de elencar as acusações, disse: "Quem que pratica isso? Não sei. Os próprios fazendeiros, ONGs, seja lá o que for, índios, seja lá o que for", disse.

O presidente disse ainda que o perfil do general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) será utilizado como espécie de canal de denúncias para quem souber de informações sobre quem está praticando as queimadas ilegais. "Qualquer denúncia do pessoal do pessoal da região amazônica que esteja pegando fogo, pode fazer, se tiver suspeita ou certeza que tenham pessoas identificadas que estão tocando fogo de forma criminosa, denunciem e bote aqui", disse, segurando uma folha de papel com o endereço da rede social de Heleno.

A acusação aos produtores rurais soou como uma virada brusca na posição de Bolsonaro em relação às queimadas. Com ligações estreitas com o agronegócio e a bancada ruralista, o presidente afirmou -- após a intensificação do problema das queimadas -- mais de uma vez que as ONGs seriam as responsáveis pelos incêndios.

"Pode estar havendo, não estou afirmando, ação criminosa desses ongueiros para exatamente chamar a atenção contra a minha pessoa, contra o governo do Brasil. Essa é a guerra que nós enfrentamos. Vamos fazer o possível e o impossível para conter esse incêndio criminoso", disse o presidente ontem.

O general Rêgo Barros, porta-voz do governo e que transmite diariamente as posições do Executivo, justificou ontem a acusação de Bolsonaro citando uma "rede de colaboração" que abastece o presidente com informações. A acusação a ONGs, segundo o porta-voz, era uma "percepção" do presidente.

"O presidente já destacou que muitas delas [ONGs] atendem aos interesses estrangeiros que cobiçam as riquezas naturais existentes no território brasileiro. Algumas vivem, exclusivamente, do aporte financeiro externo que no momento, em face das ações do governo brasileiro, foram estancadas por má gestão. (...) O presidente tem a percepção de que essas queimadas podem estar sendo realizadas em represália a esses prejuízos por parte das ONGs", afirmou Rêgo Barros.

Mais Meio Ambiente