Topo

Ministro falta a evento sobre meio ambiente na Bahia um dia após ser vaiado

Alexandre Santos

Colaboração para o UOL, em Salvador

22/08/2019 18h47Atualizada em 23/08/2019 11h37

Um dia após ser vaiado em participação na Semana Latino-Americana sobre Mudança do Clima, organizada pela ONU (Organização das Nações Unidas) em Salvador (veja o vídeo acima), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, não compareceu ao evento hoje, quando era aguardado em uma das mesas.

Na tarde de ontem, horas depois do episódio em que Salles fora hostilizado, a organização da conferência divulgou que o ministro seria um dos convidados do painel "Governo do Brasil", na manhã de hoje.

A poucos minutos do início da apresentação, prevista para as 10h, a organização do evento, contudo, não deu explicações sobre a ausência do ministro.

O UOL procurou a assessoria do Ministério por telefone e e-mail para saber o motivo da ausência, mas não obteve retorno até a publicação da reportagem. Em caso de uma eventual resposta, o texto será atualizado.

Antes de deixar a capital baiana, Salles disse que visitaria áreas atingidas por queimadas em Mato Grosso na tarde de ontem. Ele, porém, não disse se a mudança na agenda comprometeria sua participação na conferência sobre o clima.

Maia também era esperado

Além do ministro do Meio Ambiente, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também era esperado na capital baiana, mas não compareceu.

Ele era um dos convidados da plenária "Segmento ministerial: rumo à COP-25 e esforços para alcançar as metas do Acordo de Paris", às 9h de hoje, sob condução do diretor sênior de Política e Programa de Mudanças Climáticas da ONU, Martin Frick.

O prefeito ACM Neto, que chegou a anunciar a presença do deputado na véspera, disse que o correligionário precisou cancelar sua vinda ao encontro, mas não deu detalhes. A assessoria de Maia informou ao UOL que houve "incompatibilidade na agenda".

Secretário da pasta vaiado

O secretário de relações internacionais do Ministério do Meio Ambiente, Roberto Castello Branco, também foi vaiado na conferência sobre o clima sediada em Salvador.

Assim como o ministro Ricardo Salles, Castello Branco acabou interrompido várias vezes por representantes de entidades de defesa do meio ambiente que estavam na plateia na manhã de hoje.

Em um dos momentos em que o público interveio durante sua fala, o secretário discorria sobre dados de desmatamento no país --questão recentemente relativizada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

"Em relação ao desmatamento, a restauração e a regeneração de florestas, isso é muito importante, porque houve uma meta que até 2030 era ter dois milhões de hectares de florestas regeneradas e restauradas. Nós já temos 9,4 milhões de florestas naturais e dois milhões de florestas plantadas. Então, nós temos 11,4 milhões, e estamos muito bem com relação ao compromisso para 2030", disse na ocasião.

"Temos também o compromisso de chegar ao desmatamento ilegal zero em 2030. É muito importante fortalecer o Inpe [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] para que ele possa dar os dados cada vez mais [...]", acrescentou Castello Branco, sem completar seu raciocínio. Ricardo Galvão, ex-diretor do Instituto, foi demitido após ser criticado publicamente por Bolsonaro.

Acusado de utilizar dados mentirosos, o secretário então reagiu. "Eu passei 20 anos na Europa e sei o valor da democracia. Eu queria escutar também. Vou dar a voz para os senhores", disse, aparentemente desconfortável.

Após sua explanação, Castello Branco saiu do evento sem falar com os jornalistas. Ele deixou o local escoltado por agentes da GCM (Guarda Civil Municipal de Salvador).

Ricardo Salles quer madeireiras e mineradoras em força-tarefa pró-Amazônia

UOL Notícias

Mais Meio Ambiente