Topo

Sem detalhes, investigação sobre óleo no mar esbarra em limites técnicos

Homens da Marinha buscam a origem do vazamento de óleo que contamina a região Nordeste - Divulgação/Marinha
Homens da Marinha buscam a origem do vazamento de óleo que contamina a região Nordeste Imagem: Divulgação/Marinha

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

14/10/2019 10h00

Resumo da notícia

  • Investigação pouco avança e esbarra em falta de informações
  • Fatores técnicos, como limitações de satélites, também atrapalham
  • Marinha não encontra óleo em alto-mar
  • Fato eleva a suspeita de que a fonte do vazamento seja submersa

Há mais de um mês, autoridades e pesquisadores de todo o país se debruçam para descobrir de onde vem e qual a origem do óleo vazado que já poluiu praias de 72 municípios do Nordeste.

Sem encontrar manchas ou mesmo vestígios nas operações em alto-mar, a investigação pouco avançou e esbarra em uma total falta de informações e de fatores técnicos e científicos. A ausência de detalhes também impede prever onde e quando novas manchas vão aparecer.

Até agora, a única informação confirmada é que o óleo é um petróleo bruto provavelmente produzido na Venezuela, o que é negado pelo país vizinho. Entretanto, o vazamento deve ter ocorrido de um navio fora das águas brasileiras, a cerca de 400 km de distância da costa de Pernambuco.

"O caso é muito complexo e inédito na história do Brasil. Muitas hipóteses são consideradas, incluindo naufrágios e derramamentos acidentais. No momento, são muito remotas as possibilidades de exsudação de petróleo nas Águas Jurisdicionais Brasileiras e poluição causada por lavagem de tanques de navios transitando em nossas águas, pelo volume do material recolhido", informou a Marinha.

A investigação ainda se debruça sobre o material recolhido nas praias. Uma das pistas que podem ajudar são os barris achados no litoral de Sergipe e Alagoas.

Mas investigações paralelas acharam resultados diferentes: a Marinha diz que se trata de um óleo diferente daquele achado nas praias. A UFS (Universidade Federal de Sergipe) diz que se trata de um mesmo material.

Laudo diz que óleo no Nordeste foi produzido na Venezuela

Band Notí­cias

Origem de vazamento pode ser submersa

Segundo a Marinha, todas as buscas feitas até agora, seja com aeronaves ou navios, não encontraram óleo em alto-mar, o que aumenta a suspeita de que a fonte do vazamento esteja submersa.

"Diferentemente do esperado, a difusão das manchas de óleo pode estar ocorrendo abaixo de superfície do mar, dificultando, ainda mais, a determinação precisa de sua extensão, localização e origem", diz a Marinha.

Na sexta-feira (11), antes de deixar o comando das investigações do incidente, o analista ambiental do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis), Marcelo Amorim, disse que uma das dificuldades da ação na área ambiental era a falta de previsão das manchas.

"Trata-se de um evento novo. Não há previsibilidade. Trabalhando atualmente com observações empíricas. Observamos que as manchas que contaminam as praias que não são recolhidas, são frequentemente deslocadas um pouco ao sul pela força da maré", explicou.

No sábado (12), após vários dias sem aparições, novas manchas de óleo surgiram no litoral sul de Alagoas. Isso levantou a suspeita de que a fonte emissora do óleo ainda pode estar ativa.

"Podemos ter uma fonte ainda não detectada que não cessou e continua a jorrar o óleo, ou pode ser uma movimentação de correntes oceânicas", afirma Flávio Lima, coordenador do projeto Cetáceos da Costa Branca e professor da UERN (Universidade Estadual do Rio Grande do Norte).

Uma das esperanças para tentar ajudar a prever a chegada de manchas no litoral nordestino seria as imagens de satélite.

Na sexta-feira, um dado da UFBA (Universidade Federal da Bahia) chegou a apontar que uma mancha de óleo de 21 km² estava se deslocando para a costa baiana, mas verificações em sobrevoo no sábado desmentiram a informação.

Por manchas de óleo, viagens podem ser canceladas de graça

Band Notí­cias

Satélites têm limitações

Para o doutor em sensoriamento remoto e coordenador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite, na Ufal (Universidade Federal de Alagoas), Humberto Barbosa, o uso de imagens de satélites têm limites tecnológicos na ajuda das investigações.

"Esse tipo de sensoriamento remoto aplicado ao oceano é o mais difícil e o que menos evoluiu para a questão do satélite. Toda imagem precisa de outras informações para confirmação", explica.

Para ele, as imagens captadas do que seriam uma mancha indo para a Bahia não tinham confirmação científica.

"O que se viu ali foi uma área diferenciada da água, o que não quer dizer muita coisa. Não dá para avaliar aquela imagem e dizer que realmente é óleo. Só com informações de satélite não dá para concluir o que é aquilo", afirma.

O professor chega a comparar a investigação atual com as buscas dos destroços do avião da Air France que fazia a rota Rio-Paris e caiu no oceano Atlântico no dia 1° de junho de 2009. A caixa preta da aeronave só foi achada em abril de 2011 após uso de tecnologia avançada para o fundo do mar.

"A água é um empecilho para o sensor ótico do satélite, é mais ou menos como uma nuvem", diz.

Marinha pede esclarecimento

Depois de analisar o tráfego naval no período suspeito, a Marinha decidiu pedir esclarecimentos a 30 navios de dez países diferentes.

Questionada pelo UOL, a Marinha disse que não poderia informar as nacionalidades das embarcações.

Ainda é preciso lembrar que há circulação de navios fantasmas petroleiros pelo Atlântico motivada pelas sanções econômicas dos Estados Unidos à Venezuela.

Para chegar à conclusão do caso, Humberto Barbosa diz que é preciso ter cautela porque há muitos navios cruzando a área onde teria ocorrido o vazamento.

"É uma rota mais ou menos como uma rota de aviões. Tanto do Atlântico Sul, como Atlântico Norte, é uma rota comercial com embarcações em vários pontos. Então é difícil uma informação conclusiva, já que poderia ter uma mancha e ela não estar diretamente associada àquela embarcação", diz.

"É muito complexa essa parte de análise de dados de satélite no oceano já que não se tem a localização, nem uma origem específica. Pode ter acontecido a qualquer hora, não há como se fazer essa análise de uma forma tão simples", finaliza.

Meio Ambiente