Índia foi ilha e oceano pode sumir: como é a dança violenta dos continentes

Há 200 milhões de anos, a Terra era bem diferente do que é hoje: o planeta tinha um único supercontinente, chamado de Pangeia. Em um futuro distante, segundo os cientistas, o planeta pode voltar a essa configuração. Entenda em quatro pontos:

1 - Como os continentes atuais se formaram

O supercontinente Pangeia se fragmentou há 130 milhões de anos. Esse processo, chamado pelos cientistas de deriva continental, começou com uma separação em duas partes: a Laurásia —que unia a América do Norte e a Eurásia —e a Gondwana —que reunia a América do Sul, a África, a Índia, a Austrália e a Antártida.

Há 84 milhões ocorreu uma nova separação. América do Norte e Eurásia, além de América do Sul, África, Oceania e Índia, se separaram.

Inicialmente, a Índia era uma ilha no Oceano Índico. Ela só se juntou à Ásia depois, quando colidiu com o continente. O impacto foi tão forte que deu origem ao Himalaia.

Ilustração mostra separação de supercontinente há milhões de anos
Ilustração mostra separação de supercontinente há milhões de anos Imagem: Getty Images

2 - Pangeia não foi o único supercontinente

A formação de supercontinentes acontece em intervalos de milhões de anos. Além da Pangeia, a Terra já teve outros supercontinentes.

O último supercontinente antes da Pangeia foi formado entre 175 e 336 milhões de anos atrás. Pannotia, Rodinia, Columbia (Nuna) e Vaalbara são exemplos de aglomerados de continentes que já existiram no planeta.

Continua após a publicidade

O primeiro supercontinente da Terra teria sido o Vaalbara. Ele teria se formado há 3,6 bilhões de anos.

Terra já teve supercontinentes; formação é cíclica
Terra já teve supercontinentes; formação é cíclica Imagem: Getty Images/iStockphoto

3 - Os continentes perdidos

Em 2023, os cientistas desvendaram o paradeiro de um continente perdido nesse processo. É a Argolândia, que se formou há 155 milhões de anos e desapareceu.

O continente se separou do oeste da Austrália. Segundo pesquisadores da Universidade de Utrecht, na Holanda, o continente se fragmentou. Hoje, os pedaços estão espalhados sob o sudeste da Ásia, na Indonésia e em Mianmar.

Continua após a publicidade

Outro continente que era considerado perdido foi redescoberto pelos cientistas em 2019. A Grande Adria, um território que já teve o tamanho da Groenlândia, está enterrada ao sul da Europa.

Segundo os pesquisadores, a Grande Adria se chocou com a Europa há 100 milhões de anos. Com isso, o continente quebrou e afundou. O processo foi lento, a uma velocidade de 3 a 4 centímetros por ano.

E a famosa ilha (ou o continente) de Atlântida? Segundo os cientistas, Atlântida, que apareceu pela primeira vez nos diálogos do filósofo Platão, nunca existiu.

Formação de supercontinentes está relacionada ao movimento do manto da Terra
Formação de supercontinentes está relacionada ao movimento do manto da Terra Imagem: Yuri_Arcurs/ Getty Images

4 - Como a Terra pode ficar no futuro

A formação de supercontinentes é cíclica e está relacionada ao movimento do manto da Terra. Por causa desse movimento, a massa continental das Américas está sendo deslocada para oeste.

Continua após a publicidade

Um estudo publicado no ano passado fala sobre como o Oceano Pacífico deve desaparecer, dando lugar à junção entre a América e a Ásia. Isso deve levar entre 200 milhões e 300 milhões de anos para acontecer.

Nos últimos dois bilhões de anos, os continentes da Terra colidiram para formar um supercontinente a cada 600 milhões de anos, o que é conhecido como ciclo do supercontinente. Isso significa que os continentes atuais devem se reunir novamente em algumas centenas de milhões de anos.
Chuan Huang, pesquisador, em comunicado à imprensa em 2022

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes