Topo

Novo é o 2º partido a declarar apoio integral à reforma da Previdência

Jair Bolsonaro durante reunião com Onyx Lorenzoni, ministro da Casa Civil; João Amoêdo, presidente do Novo, e o deputado Marcel Van Hattem, líder do Novo na Câmara - Marcos Corrêa/PR
Jair Bolsonaro durante reunião com Onyx Lorenzoni, ministro da Casa Civil; João Amoêdo, presidente do Novo, e o deputado Marcel Van Hattem, líder do Novo na Câmara Imagem: Marcos Corrêa/PR

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

10/04/2019 15h31Atualizada em 10/04/2019 17h58

O Novo declarou hoje apoio integral à reforma da Previdência proposta pelo governo federal. Após o PSL, partido do próprio presidente Jair Bolsonaro (PSL), o Novo é a segunda sigla a não pedir mudanças no texto enviado ao Congresso Nacional.

No entanto, o presidente do Novo, João Amoêdo, que se candidatou à Presidência nas eleições do ano passado, ressaltou que não farão parte da base aliada e continuarão a ser independentes.

"A bancada toda está fechada [a favor da reforma] até porque tem sido uma pauta do Novo desde o processo eleitoral lá atrás. Nós entendemos que de fato a Previdência é fundamental para o equilíbrio das contas públicas. O Novo será sempre independente. Uma postura sempre independente, mas, claramente, aquelas pautas que forem a favor do Brasil, a favor do crescimento, o Novo sempre votará a favor", declarou.

O Novo conta com uma bancada de oito deputados federais na Câmara. Ao contrário de PR, Solidariedade e Podemos, que já se encontraram com Bolsonaro entre ontem e hoje, Amoêdo disse que o partido não quer a manutenção do sistema atual do BPC (Benefício de Prestação Continuada) e da aposentadoria para trabalhadores rurais.

"Eventualmente, seríamos até um pouco mais agressivos na proposta. Na questão da idade, por exemplo, homens e mulheres. Achamos que deveria ter a mesma. Mas, entendemos que o importante agora é passar essa reforma", disse.

O Novo também será a favor da reforma tributária e de ações para a melhoria do ambiente de negócios no Brasil, informou.

Mais cedo, o presidente recebeu a presidente do Podemos, que pediu mudanças no texto da PEC da Previdência.

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), se encontrou mais tarde com Bolsonaro e se disse confiante na aprovação da reforma da Previdência, mesmo que algumas alterações sejam feitas. A expectativa do governo é que o texto seja aprovado em dois turnos na Câmara até junho e, no Senado, até meados de setembro. Indagado sobre quantos votos o governo tem hoje a favor da proposta, desconversou e disse não trabalhar com números.

O senador elogiou a atitude de Bolsonaro em convidar os partidos para conversas no Planalto e, questionado pelo UOL, disse não estar preocupado com o fato de a maioria dos partidos não fecharem questão a favor da proposta. Para ele, isso reflete uma nova maneira de fazer política por parte da atual gestão, sem toma-lá-dá-cá, com os partidos votando de acordo com os temas em pauta.

"Estamos construindo uma base aliada, mas será de uma maneira diferente", afirmou.

Colunistas do UOL avaliam os 100 dias de governo Bolsonaro

UOL Notícias

Governo Bolsonaro