PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

PT irá apresentar pedido de impeachment contra presidente Jair Bolsonaro

15.mai.2020 - Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante cerimônia no Palácio do Planalto - Gabriela Biló / Estadão Conteúdo
15.mai.2020 - Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante cerimônia no Palácio do Planalto
Imagem: Gabriela Biló / Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

15/05/2020 17h57

O PT (Partido dos Trabalhadores) anunciou que irá apresentar o pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Líderes petistas irão formalizar o pedido na próxima semana, de acordo com nota divulgada no site oficial do partido.

"Com este governo, não dá mais", disse Gleisi Hoffmann, presidente do PT, em anúncio com os líderes José Guimarães e Enio Verri. "Bolsonaro é incapaz de dar resposta à crise que estamos vivendo e não tem condições, nem capacidade administrativa e humana de conduzir o país. Briga com todo o mundo, e não protege o povo brasileiro", completou.

A direção nacional do PT diz que tem realizado consultas e articulações para que o pedido coletivo de Impeachment seja elaborado, assinado e apresentado até a próxima semana.

"É preciso fazer avançar o pedido de impeachment. É em respeito ao povo brasileiro e à vida da população. Enquanto a população morre, temos um presidente irresponsável", disse Verri, deputado federal e líder do PT na Câmara dos Deputados.

PT quer novas eleições

Além de apresentar o pedido de impeachment contra Bolsonaro, o PT anunciou que irá lutar pela aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 37/2019, que prevê a realização de "eleições presidenciais em caso de vacância do cargo, por qualquer motivo, até seis meses antes do fim do mandato".

"Essa posição consolida a posição das esquerdas e dos democratas brasileiros. Não dá mais para Bolsonaro continuar a conduzir os destinos do país", disse José Guimarães, líder da Minoria no Congresso.

Lula apoia ideia

Até o início de março, antes de a covid-19 ser considerada uma pandemia pela OMS, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (e tido como a principal estrela do partido) era contra a ideia de impeachment.

O discurso de Lula foi mudando conforme aumentavam os questionamentos sobre a condução da crise sanitária e econômica por parte de Bolsonaro.

No início de abril, o ex-presidente chegou a afirmar que acredita na possibilidade de acontecer um impeachment contra o atual presidente.

"Eu acho que nós poderemos chegar a ter um pedido de impeachment do Bolsonaro, sim, na medida em que ficar provado o crime de responsabilidade e na medida que o presidente da Câmara resolva colocar em votação o pedido de impeachment".

Impeachment de Dilma Rousseff

Em 2016, a então presidente Dilma Rousseff foi destituída da Presidência do Brasil, após uma sentença histórica no Senado, que pôs um fim dramático a treze anos de governo do PT no país.

Dilma reagiu chamando o processo de impeachment de golpe parlamentar. "Hoje, o Senado Federal tomou uma decisão que entra para a história das grandes injustiças. Os senadores que votaram pelo impeachment escolheram rasgar a Constituição Federal", declarou.

"Decidiram pela interrupção do mandato de uma Presidenta que não cometeu crime de responsabilidade. Condenaram uma inocente e consumaram um golpe parlamentar", acrescentou.

Política