PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro vai participar de live com Malafaia e outros líderes evangélicos

Presidente anunciou no Facebook a participação em live de "oração em favor as autoridades e ao povo brasileiro" - WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO
Presidente anunciou no Facebook a participação em live de "oração em favor as autoridades e ao povo brasileiro" Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

04/06/2020 14h35Atualizada em 04/06/2020 14h46

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou hoje que vai participar de uma transmissão ao vivo com líderes evangélicos. O evento acontece amanhã, às 16 horas.

Bolsonaro publicou um cartaz no seu perfil oficial no Facebook. Na imagem, está escrito que a live é uma "oração em favor das autoridades e do povo brasileiro".

Entre os líderes evangélicos, participa da transmissão o pastor Silas Malafaia. Apoiador do presidente, o líder religioso chegou a dizer em março que não fecharia as igrejas por conta das medidas de isolamento social em razão da pandemia de coronavírus.

O caso foi parar na Justiça e o pastor recomendou, então, a suspensão dos cultos na Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

No final de março, o presidente decretou as atividades religiosas como essenciais e elas puderam retomar cultos, mas com restrições.

Já na semana passada, Bolsonaro sinalizou que vai indicar um evangélico para o Supremo Tribunal Federal (STF). A próxima vaga será aberta com a aposentadoria compulsória do ministro Celso de Mello, no final deste ano. Em 2021, será a vez da aposentadoria do ministro Marco Aurélio.

"Eu costumo dizer que tenho três nomes, que não vou revelar, que eu namoro para indicar para o Supremo. Um vai ser evangélico, é um compromisso que eu tenho com a bancada evangélica. Pessoal critica, [mas] não tem nada a ver. Se é católico, cristão, evangélico, candomblecista, ateu, não interessa. Tem que ter conhecimento e desenvolver seu papel lá, mas uma pitada de religiosidade, de cristianismo, no meu entender, é muito bem-vinda", disse em uma live no seu Facebook.

Governo Bolsonaro