PUBLICIDADE
Topo

Trevisan: o racismo é contado em corpos mortos nos EUA e no Brasil

Do UOL, em São Paulo

06/06/2020 04h00

O Baixo Clero, o podcast do UOL, discute o racismo enraizado na sociedade brasileira após os protestos pela morte de George Floyd, nos EUA. Os jornalistas Carla Bigatto, Diogo Schelp e Maria Carolina Trevisan falam sobre as diferenças históricas do racismo no Brasil e nos EUA e como a Segurança Pública é o setor que mais escancara o preconceito.

Em artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo na última semana, o vice-presidente, Hamilton Mourão, afirmou que não há "ódio racial" na história brasileira. A partir disso, Maria Carolina Trevisan analisa como o preconceito se mostra na sociedade brasileira.

"O que é o ódio racial se não o que aconteceu no nordeste do Brasil quando uma mulher branca deixou o filho da doméstica negra sozinho no elevador e ele caiu e morreu? Mourão está bem alinhado com Bolsonaro o que significa que um impeachment não mudaria muita coisa". (disponível no vídeo acima a partir do minuto 7:45)

Trevisan diz que a diferença entre o racismo brasileiro e norte-americano é a forma e a intensidade em que é combatido. "Aqui no Brasil não temos uma definição do que é ser negro. Lá nos EUA, quem tem uma gota de sangue negro é negro, é algo mais biológico. Aqui no Brasil, a pessoa se autorreconhece negra", afirma.

"Nos EUA, as medidas para diminuir essa brecha histórica absurda foram estabelecidas antes. Essa brecha que é contada em corpos mortos, como o de George Floyd. O que está acontecendo nos Estados Unidos e que poderíamos pegar aqui para o Brasil é uma reforma nas polícias e no sistema de justiça", conclui.

Baixo Clero está disponível no Spotify, na Apple Podcasts, no Google Podcasts, no Castbox, no Deezer e em outros distribuidores. Você também pode ouvir o programa no YouTube. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Política