PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
8 meses

Josias: Planalto celebra desempenho de Pazuello na CPI da Covid

19.mai.2021 - Ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello durante o depoimento à CPI da Covid, no Senado - Jefferson Rudy/Agência Senado
19.mai.2021 - Ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello durante o depoimento à CPI da Covid, no Senado Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

Do UOL, em São Paulo

20/05/2021 09h59Atualizada em 20/05/2021 10h02

O colunista do UOL Josias de Souza disse que o Palácio do Planalto comemorou o desempenho do ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, ontem na CPI da Covid, que investiga ações e omissões do governo federal durante a pandemia. O comando do exército, no entanto, vê o depoimento com "enorme preocupação".

"No Palácio, o desempenho de Pazuello foi celebrado e no comando do exército a inquirição foi vista com enorme preocupação. [O presidente Jair] Bolsonaro e seus operadores na CPI avaliam que causou ótima impressão o fato de Pazuello responder ao interrogatório mesmo dispondo de liminar que o autorizava silenciar para não se autoincriminar", afirmou Josias ao UOL News.

Ontem, Pazuello blindou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de eventuais responsabilidades na gestão da pandemia de coronavírus, negou que houve ordem do Palácio do Planalto para recusar a CoronaVac, relativizou a crise estabelecida em Manaus (AM) por falta de oxigênio e disse ter deixado o Ministério da Saúde com "missão cumprida".

"No exército, o que mais incomodou foram as menções que Pazuello fez a sua formação militar. Uma resposta que causou enorme incômodo foi quando Pazuello, inquirido sobre suas credenciais para comandar o Ministério da Saúde, disse que questionar a capacidade de liderança e gestão de um oficial seria o mesmo que perguntar se a chuva molha."

Na avaliação de Josias, o general Pazuello arruinou os esforços que vinham sendo feitos nos bastidores, inclusive em negociações com o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), para desassociar o exército da atuação de Pazuello no Ministério da Saúde.

A CPI da Covid retoma hoje, a partir das 9h30, o depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello após um primeiro dia de falas marcado por contradições. Segundo o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), há 23 senadores inscritos na fila para discursar e fazer questionamentos a Pazuello.

Depois de mais de sete horas de depoimento, Pazuello teria passado mal e a sessão foi suspensa. Segundo o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), o ex-ministro se prontificou a continuar respondendo às perguntas dos senadores, mas considerou mais "prudente" retomar a reunião hoje.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.