PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Flavio critica Patriota por convenção que complica filiação de Bolsonaro

O senador Flávio Bolsonaro criticou o afastamento do presidente do Patriota - Pedro França /Agência Senado
O senador Flávio Bolsonaro criticou o afastamento do presidente do Patriota Imagem: Pedro França /Agência Senado

Do UOL, em São Paulo

24/06/2021 19h26Atualizada em 25/06/2021 11h53

O Patriota afastou o presidente Adilson Barroso da presidência do partido por 90 dias em uma convenção realizada hoje, e a decisão hoje não agradou o senador Flávio Bolsonaro, que se filiou ao partido recentemente. A mudança ocorre no momento em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) negocia a filiação à legenda.

Enquanto Barroso é a favor da entrada do presidente, Ovasco Resende, vice que assume o comando da legenda, é contra.

"Infelizmente, uma ala minoritária do Patriota não entendeu a magnitude da chegada de um Presidente da República ao partido. Convenção ilegal convocada por eles, sem previsão no estatuto e que é um verdadeiro tiro na cabeça deles mesmos. Fui para o Patriota antes de todo mundo para arrumar a casa e é o que vamos fazer", disse Flávio Bolsonaro em nota oficial.

Antes da mudança, a expectativa era de que Bolsonaro oficializasse sua filiação ainda neste mês. À coluna de Chico Alves no UOL, Ovasco Resende afirmou que "Toda ação motiva uma reação".

Barrroso será julgado pelo conselho de ética do partido por práticas que seriam autoritárias e contrárias ao estatuto justamente para acolher Bolsonaro e seus apoiadores no partido.

Apesar de não se opor à chegada de Bolsonaro, o secretário-geral do Patriota, Jorcelino Braga, disse à coluna não concordar com os termos que estavam sendo negociados. "O que ouvimos falar é que Adílson entregou o controle do partido e com isso não concordamos".

Errata: o texto foi atualizado
Diferente do informado anteriormente no primeiro parágrafo da notícia, o senador Flavio Bolsonaro se filiou recentemente ao Patriota e sua eleição ao cargo ocorreu quando era filiado a outro partido, o PSL. O erro foi corrigido.

Política