PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Coronavírus: Periferia de São Paulo já tem hospital com 100% da UTI ocupada

Hospital Municipal M"Boi Mirim virou referência no atendimento à covid-19 na capital paulista - Cleber Souza/UOL
Hospital Municipal M'Boi Mirim virou referência no atendimento à covid-19 na capital paulista
Imagem: Cleber Souza/UOL

Cleber Souza

Do UOL, em São Paulo

08/05/2020 18h30

São Paulo registra nesta sexta-feira 85% de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da rede municipal. Porém na periferia da capital paulista, já há hospital com 100% de utilização, enquanto outros já trabalham no limite, segundo apurou o UOL.

No Hospital Municipal Josias Castanha Braga, em Parelheiros, no extremo sul paulistano, das 20 vagas de UTI disponibilizadas para atendimento ao novo coronavírus, todas estão ocupados. A prefeitura promete entregar mais 268 até fim deste mês na unidade.

No Hospital Municipal Doutor Moysés Deutch, no M'Boi Mirim, na zona sul, foram entregues 100 leitos de UTI para tratamento da covid-19 no último mês. 65% destes já estão ocupados por casos confirmados da covid-19, neste caso ficando abaixo da média da capital.

O Hospital Municipal Waldomiro de Paula, localizado em Itaquera, na zona leste, possui 95% de UTI ocupada.

Os números não param de crescer. Até o último dia 28, foram divulgadas 15 mortes e 52 casos confirmados da covid-19 em Parelheiros; 32 óbitos e 201 resultados positivos para a doença em M'Boi Mirim. E 227 positivados para o novo coronavírus com 37 vítimas fatais em Itaquera, segundo o boletim quinzenal da SMS (Secretaria Municipal de Saúde).

Abertura do comércio depende da taxa de ocupação de UTI

A reabertura do comércio em São Paulo será feita só quando o estado estiver com adesão mínima de 55% no isolamento social, taxa de ocupação das UTIs em 60% e redução sustentada de casos durante 14 dias consecutivos.

As medidas foram anunciadas hoje durante entrevista coletiva em que o governador João Doria (PSDB) anunciou a prorrogação da quarentena no estado até o dia 31 de maio.

A pressão na rede pública de saúde na cidade de São Paulo continua a crescer e agora os leitos de UTI dos hospitais municipais também ultrapassaram a marca de 85% de ocupação, considerado sinal de alerta por especialistas.

Para se ter uma ideia do avanço da covid-19, no domingo eram 1.062 pacientes internados na rede municipal, incluindo enfermaria. Nesta segunda-feira, já são 1.673 pessoas —alta de 57% em cinco dias.

Em relação às vítimas fatais de coronavírus, a cidade de São Paulo tem 2.106 mortes confirmadas e outras 2.624 suspeitas. Total de 4.730. A prefeitura vem levando em conta os casos suspeitos para montar sua estratégia de enfrentamento e definir quais pontos da cidade deve reforçar o trabalho.

Na rede estadual de saúde, o sinal de alerta está aceso desde a semana passada e motivou as autoridades de saúde a anunciarem que pessoas podem ser transferidas para o interior por falta de UTI. Hoje, o percentual de ocupação na terapia intensiva está em 88%.

Segundo a prefeitura, a cidade conta com 3.217 leitos hospitalares de baixa e média complexidade. A pasta ainda afirma que entregou 717 novos leitos de UTI hospitalares, dedicados exclusivamente ao atendimento de pacientes com complicações respiratórias decorrentes da covid-19 e, até o final de maio, planeja chegar a 1.482 leitos intensivos. Antes da pandemia, a cidade já contava com apenas 507 leitos de UTI.

Coronavírus