Topo

Coordenador das busca ao voo MH370 espera encontrar destroços 'em dias'

Em Perth

09/04/2014 01h19

O coordenador das operações de busca do voo MH370 da Malaysia Airlines afirmou nesta quarta-feira (9) que espera encontrar "em alguns dias" os destroços do Boeing 777-200, desaparecido desde 8 de março passado com 239 pessoas a bordo. Angus Houston disse à imprensa que, com a detecção dos sinais acústicos, espera "ter uma pequena zona" delimitada que permita, "em alguns dias", encontrar "algo no fundo (do mar) que possa confirmar que este é o local onde se encontra o voo MH370".

Na mesma entrevista, Houston revelou que um navio australiano que participa das buscas no Oceano Índico detectou, em duas ocasiões, novos sinais "compatíveis" com as emissões das caixas pretas do avião. "O Ocean Shield voltou a captar sinais, em duas ocasiões, na tarde e na noite de ontem (terça-feira, 8)", disse Angus Houston em Perth, no oeste da Austrália, de onde coordena as operações internacionais de busca.

Entenda como funcionam as caixas-pretas dos aviões

Os trabalhos se concentram em um arco de 600 km no sul do Oceano Índico, bem distante da costa australiana. Após mais de 30 dias, as buscas se tornaram uma corrida contra o tempo, já que as baterias das caixas-pretas estão no fim. Assim que o sinal for situado com mais precisão, será enviado ao fundo do mar um robô de fabricação americana, o Bluefin-21, para buscar os destroços do avião.

O Bluefin-21, um veículo submarino em forma de torpedo e de quase cinco metros de comprimento, é equipado com um sonar. O robô é utilizado para detecção de minas, cartografia do solo marinho e busca arqueológica, entre outras missões. Após o sonar situar o sinal, o robô será trazido à superfície e receberá uma câmera para gravar os destroços no fundo do oceano.

O Boeing 777 da Malaysia Airlines decolou de Kuala Lumpur rumo a Pequim na madrugada de 8 de março com 239 ocupantes, mas desapareceu dos radares civis da Malásia cerca de 40 minutos depois. Uma mudança de rota e altura ainda inexplicáveis conduziram a aeronave para o Oceano Índico.

Notícias