Processo de impeachment

Imprensa estrangeira destaca "última batalha" de Dilma

João Fellet

Da BBC Brasil em Washington (EUA)

  • Reprodução/RTP.pt

    Reprodução do topo do site da TV portuguesa RTP

    Reprodução do topo do site da TV portuguesa RTP

O discurso que Dilma Rousseff fez nesta segunda-feira no Senado para se defender de acusações que podem afastá-la definitivamente da Presidência foi destaque em agências de notícias estrangeiras e especialmente em veículos de América Latina, Espanha e Portugal.

O jornal português "Público" escolheu como título a declaração de Dilma de que "estamos a um passo do golpe de Estado".

Para o diário, a presidente "não poupou as palavras (...) no julgamento em que deverá ser destituída do cargo".

"Dilma Roussef, com pouca esperança de rebater o ataque cerrado de que está a ser alvo, passou ela própria ao ataque, identificando os inimigos num terreno que lhe é hostil", diz a reportagem, que citou as menções de Dilma ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e à "grande mídia brasileira, a quem acusou de conivência com a direita".

O "Público" citou a presença do cantor Chico Buarque e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre os apoiadores de Dilma no plenário do Senado.

"Governo usurpador"

"Dilma denuncia golpe para dar lugar a um 'governo usurpador'", diz o jornal argentino Clarín no título de uma reportagem sobre a fala da presidente. Segundo o jornal, a presidente falou aos senadores com um "gesto de inocultável incômodo".

"A presidenta enfrenta agora sua última batalha, na sucessão de crises que enfrenta desde que iniciou seu segundo mandado", afirma o texto.

O diário espanhol "El País" tratou a defesa de Dilma como o tema mais importante de seu site internacional e transmitiu a sessão do Senado ao vivo.  A fala da presidente afastada foi comentada em tempo real por repórteres do jornal.

O "El País" diz que Dilma "repetiu que o processo é um golpe contra a democracia e assegurou que se manteve dentro da legalidade". 

O americano "USA Today" publicou uma reportagem da agência Associated Press segundo a qual Dilma discursou "lutando para salvar seu emprego".

Hoje eu só temo a morte da democracia, diz Dilma no Senado

  •  

O texto diz que a fala da presidente ocorre no quarto dia de um julgamento que teve "palavrões, gritos e uma declaração do presidente do Senado, Renan Calheiros, de que a 'burrice não tem limites'".

 

O "USA Today" afirma que "a líder esquerdista é acusada de violar regras fiscais para esconder problemas no orçamento federal", mas que ela rejeita as acusações e argumenta que seus inimigos estão conduzindo "um golpe de Estado".

Falta de mulheres

A TV portuguesa RTP destacou as críticas de Dilma ao ministério de Michel Temer, "especialmente pela falta de mulheres no novo governo".

"A presidente suspensa também deixou críticas àqueles que apenas quiseram procurar pelo 'pior' no processo de impeachment, sem tentar encontrar soluções positivas para o Brasil."

Com o título "Rousseff diz que 'futuro do Brasil está em jogo' em julgamento no Senado", a agência Reuters cita em reportagem as menções que a presidente fez em seu discurso a seus opositores.

Dilma, diz a agência, "denunciou o processo de impeachment de nove meses que paralisou a política brasileira como um complô para derrubá-la e proteger os interesses das classes privilegiadas do Brasil, incluindo a privatização de bens públicos como as massivas reservas de petróleo do pré-sal".

A Reuters afirma que, enquanto Dilma chegava ao Senado, "centenas de apoiadores cantavam 'Dilma, guerreira da nação brasileira'" do lado de fora do Congresso.

Respeito à Constituição

A TV Telesur, que tem entre seus financiadores os governos de Venezuela, Cuba e Bolívia, enfatizou a fala de Dilma de que "jamais atentaria contra a democracia ou a Constituição".

"A líder de esquerda, que em 2014 foi reeleita como presidenta do Brasil por mais de 54 milhões de cidadãos, defende o respeito pela democracia e a vontade do povo. Ademais, rechaça a 'injustiça de ser condenada inclusive sendo inocente'", diz reportagem no site da emissora.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos