PUBLICIDADE
Topo

Balaio do Kotscho

As urnas falaram: PT não ganha nenhuma capital e sofre sua maior derrota

Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

29/11/2020 19h27

No dia 30 de outubro, ainda antes do primeiro turno, publiquei aqui uma coluna com o título "Aos 40 anos, PT chega às eleições envelhecido, sem votos e sem rumo".

No dia seguinte, José Américo Dias, deputado estadual e coordenador da campanha do PT em São Paulo, e o jornalista Edmundo Machado Oliveira me pediram direito de resposta e enviaram texto com este título: "É prudente deixar que a urna fale".

Pois elas falaram nos dias 15 e 29 de novembro, deixando o PT sem nenhum prefeito de capital e nos maiores municípios em que disputava o segundo turno.

Pelo que acompanhei até agora, as cidades mais importantes onde o PT venceu foram Diadema (SP), com José Filippi, e Juiz de Fora (MG), com Margarida Salomão.

Por coincidência, Diadema foi o primeiro município onde o partido venceu uma eleição, dois anos após ser fundado, com o metalúrgico Gilson Menezes, que era da diretoria de Lula no sindicato.

Neste século, o PT venceu quatro eleições presidenciais e governou o país até apenas quatro anos atrás, quando Dilma Rousseff foi derrubada por um golpe parlamentar.

Partido disputava duas capitais, e perdeu as duas

Naquele ano de 2016, o PT já tinha perdido um terço das suas prefeituras e só ganhou em uma capital, Rio Branco, no Acre.

Nos 5.570 municípios brasileiros, o PT conquistou, em 2020, apenas 183 prefeituras.

Em São Paulo, este ano, pela primeira vez na sua história, o PT ficou fora do segundo turno e teve menos de 10% dos votos.

Só foi para o segundo turno em duas capitais, Vitória e Recife, e perdeu em ambas.

Não adianta querer tapar o sol com a peneira. Foi a maior derrocada do PT nestes 40 anos e, para não ser surpreendido outra vez, seria bom que se preparasse melhor para as próximas eleições, de preferência, antes que as urnas falem.

O mundo mudou

Eu preferia não ter razão, mas como repórter não posso brigar com os fatos. Estava na cara. O antipetismo ficou maior do que o petismo.

Se o partido não descobrir e atacar as causas, renovar suas lideranças e programas, vai continuar andando para trás, porque mudou o mundo em que ele foi criado e se tornou o maior do país no começo do século.

Só faltam dois anos para a próxima eleição.

Vida que segue.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.