PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Jamil Chade


Brasil pedirá cooperação da Grécia para apurar derramamento de óleo no NE

Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

02/11/2019 06h25

O governo brasileiro vai pedir a cooperação das autoridades gregas para apurar o suposto envolvimento de um navio de uma empresa com sede no país europeu no acidente ambiental na costa do Nordeste.

Fontes em Atenas confirmaram à coluna que, diante da suspeita levantada sobre o caso do navio Bouboulina, o governo de Jair Bolsonaro irá acionar o governo de Atenas e espera uma resposta já no início da próxima semana.

A Polícia Federal acredita que a embarcação da empresa grega seja a principal suspeita pelo derramamento e, para Brasília, a ação conjunta entre os dois países poderia facilitar a apuração.

Em Brasília, o Itamaraty não considera que esse se trate de uma crise entre os dois países, acima de tudo por conta do caráter privado da empresa que é dona do navio.

A Delta Tankers já esteve envolvida em diversos acidentes. Mas a empresa indicou à agência Reuters que, até ontem, não havia sido ainda contactada pelas autoridades brasileiras em relação a essa investigação.

No final de agosto, a questão ambiental já havia sido motivo de um encontro entre representantes brasileiros e Miltiadis Varvitsiotis, um dos principais nomes do Ministério das Relações Exteriores do governo grego.

Ainda que a discussão tenha sido centrada em formas de ampliar a cooperação entre o recém empossado governo grego de centro-direita, a questão do meio ambiente fez parte do debate.

Numa nota publicada na ocasião, "Varvitsiotis expressou a profunda preocupação do governo grego sobre o enorme desastre ecológico que ocorre na região da Amazônia por conta dos incêndios constantes e danos para o meio ambiente".

No mesmo comunicado oficial, o representante de Atenas se referiu ao acordo Mercosul-UE. Mas indicou a importância das dimensões ambientais e climática do tratado. Os representantes brasileiros, munidos de dados enviados pelo Itamaraty, explicaram a situação vivida pela Amazônia.

Jamil Chade