PUBLICIDADE
Topo

Jamil Chade

OMS decreta emergência sanitária global por conta do novo coronavírus

22.jan.2020 - Funcionário de cassino em Macau mede temperatura de uma mulher antes de sua entrada no prédio. Essa é uma das recomendações para evitar a propagação do coronavírus que já provocou 17 mortes e está se alastrando em vários países  - Anthony Wallace/AFP
22.jan.2020 - Funcionário de cassino em Macau mede temperatura de uma mulher antes de sua entrada no prédio. Essa é uma das recomendações para evitar a propagação do coronavírus que já provocou 17 mortes e está se alastrando em vários países Imagem: Anthony Wallace/AFP
Jamil Chade

Jamil Chade é correspondente na Europa há duas décadas e tem seu escritório na sede da ONU em Genebra. Com passagens por mais de 70 países, o jornalista paulistano também faz parte de uma rede de especialistas no combate à corrupção da entidade Transparência Internacional, foi presidente da Associação da Imprensa Estrangeira na Suíça e contribui regularmente com veículos internacionais como BBC, CNN, CCTV, Al Jazeera, France24, La Sexta e outros. Vivendo na Suíça desde o ano 2000, Chade é autor de cinco livros, dois dos quais foram finalistas do Prêmio Jabuti. Entre os prêmios recebidos, o jornalista foi eleito duas vezes como o melhor correspondente brasileiro no exterior pela entidade Comunique-se.

Colunista do UOL

30/01/2020 16h43Atualizada em 30/01/2020 18h10

Resumo da notícia

  • Declaração como objetivo padronizar reação mundial de países contra a doença
  • Organização é contra cancelamento de viagens e levantamento de barreiras
  • China se opôs politicamente ao alarde; OMS elogia reação do pais contra vírus

A Organização Mundial da Saúde (OMS) decreta uma emergência sanitária global por conta do novo coronavírus. A decisão foi tomada nesta quinta-feira, em Genebra, depois de uma reunião entre especialistas e os governos dos países afetados. Por dias, Pequim pressionou para que a declaração não fosse realizada. Mas, para a OMS, o surto é "sem precedentes".

A entidade alerta ainda que não há necessidade de restrição de viagens e nem de comércio. Mas insiste que a declaração é uma forma de apoiar países que não teriam a capacidade de lidar com um eventual surto. "Isso não é uma declaração de não confiança com a China", indicou a OMS. "Esse é o momento para que os fatos prevaleçam, não o medo", declarou.

A OMS ainda anunciou que vai questionar restrições que países optem por colocar e pedir que governos "provem cientificamente" o motivo de eventuais barreiras. Segundo a agência, haverá uma pressão para que restrições sejam reconsideradas. "Esse não é um exemplo a seguir", declarou a entidade.

"Nós precisamos agir agora para ajudar outros países a se preparar para a possibilidade [da entrada do vírus]", diz Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. "A razão para a declaração não é pelo que está acontecendo na China, mas pelo que acontece nos outros países."

Embora o número de casos em outros países seja relativamente pequeno em comparação com o registrado na China, devemos agir juntos. Não sabemos o tipo de dano que esse vírus pode causar se ele se espalhar em um país com um sistema de saúde mais frágil. Por isso, declaro emergência em saúde pública internacional.
Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS

A iniciativa tem um forte componente político e ocorre poucas horas depois de as autoridades chinesas divulgarem o maior salto em apenas um dia no número de mortes. Um plano para uma resposta global também foi apresentado, com obrigações que devem ser seguidas por países em todo o mundo.

Até o momento, mais de 8,2 mil casos foram identificados na China, com 171 vítimas fatais. Outros 12 mil casos suspeitos estão sendo examinados e, no total, 88 mil pessoas estão sendo monitoradas por terem mantido contato com doentes ou parentes. No exterior, são 98 casos em 18 países.

Desde que o sistema foi criado, em 2009, a OMS decretou cinco emergências globais. Uma delas envolveu o Brasil, em 2016, por conta do zika vírus.

Com a medida, a OMS espera gerar uma mobilização global para impedir que novos epicentros do surto possam surgir. A declaração visa também a abrir espaço para que recursos sejam destinados para enfrentar a nova emergência, inclusive para preparar países mais pobres e financiar uma vacina.

Coronavírus: Infectologista esclarece dúvidas sobre doença

Band Notí­cias

Meta é conter propagação e novos focos

O principal temor da entidade é de que, fora da China, novos centros de proliferação da doença sejam estabelecidos. Para o diretor-geral da OMS, há o potencial de um surto "muito maior" se novos focos se desenvolverem.

Em pelo menos quatro países, já se conhecem casos em que houve uma transmissão entre pessoas que não estiveram na China. O último deles foi registrado nos EUA.

No Japão, as autoridades confirmaram que houve transmissão entre pessoas que sequer apresentaram sintomas. Dentro da entidade, fontes confirmam à coluna que se a OMS tiver de lutar contra várias frentes ao mesmo tempo, o risco é de que a resposta tenha sérias dificuldades para frear a proliferação da doença.

A emergência, portanto, significa que governos de países com casos já confirmados, países com fronteiras com a China e mesmo aqueles apenas com ligações aéreas terão de adotar medidas de controle.

Para países como o Brasil, aeroportos e portos precisam realizar um intenso controle. Há também recomendações detalhas de protocolo sobre o que fazer com casos suspeitos e com casos confirmados da doença.

Atualmente, porém, apenas 32 países de um total de 194 estão conduzindo o monitoramento de quem entra em seus territórios.

Uniformização de procedimentos contra o vírus

Outro objetivo é ainda o de harmonizar as respostas da comunidade global. Sem uma orientação da OMS, cada governo está adotando medidas diferentes para lidar com a potencial crise.

A Rússia, por exemplo, fechou mais de 4 mil quilômetros de sua fronteira com a China, enquanto outros governos cortaram as ligações aéreas e até um barco com seis mil pessoas foi impedido de desembarcar na Itália por conta de um caso suspeito.

A entidade quer, agora, que as medidas tenham uma lógica científica e que não se use o vírus politicamente. Também há uma forte pressão por parte da China para que a OMS se posicione contra medidas consideradas como "exageradas", o que aprofundaria a crise econômica e de confiança numa das maiores economias do mundo.

Coronavírus - Agência Brasil - Agência Brasil
Imagem: Agência Brasil

Pressão sobre a China

A declaração ocorre uma semana depois de a agência de saúde da ONU alertar que era "cedo demais" para decretar a emergência.

Há sete dias, a entidade não conseguiu um consenso entre os seus especialistas sobre a necessidade de se decretar a emergência. O encontro ainda foi marcado por uma forte pressão da China, temerosa de que tal iniciativa da OMS resultaria em um golpe contra a credibilidade do país.

Xi Jinping, já questionado pela crise política em Hong Kong e Taiwan, veria a declaração como um fator extra de enfraquecimento de seu poder.

Para não dar uma impressão internacional de que desconfiava da capacidade da China de conter o vírus, Tedros viajou até Pequim para se reunir com Xi. "Tivemos uma conversa franca", contou.

Ao retornar para Genebra, o chefe da OMS insistiu em elogiar o governo chinês e dar a mensagem de que sua entidade tem plena confiança no trabalho feito pelo presidente do país.

Não por acaso, na OMS, apesar da pressão internacional e de críticas internas, a ordem é a de prestar todas as homenagens, elogiar explicitamente a China por suas ações e garantir que não há influência política nas decisões da entidade.

"O fato de termos apenas 80 casos no exterior é por conta das medidas que o governo chinês tomou para evitar as exportações de casos", disse Tedros. "E eles estão fazendo isso às custas de sua economia e sociedade", destacou o etíope.

"Nunca vimos a escala de resposta como existe na China, com recursos e altamente organizados. O desafio é grande, mas a resposta tem sido impressionante", completou Mike Ryan, chefe do programa de emergências da OMS.

Na China, porém, vozes cada vez mais claras alertam para o fato de que houve uma demora para que o governo reconhecesse o problema.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL