PUBLICIDADE
Topo

Madeleine Lacsko

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O bolsopetismo e a lenda urbana da falsa simetria

Lula e Bolsonaro -  Marlene Bergamo - 26.abr.2019/Folhapress e Adriano Machado - 10.mai.2021 /Reuters
Lula e Bolsonaro Imagem: Marlene Bergamo - 26.abr.2019/Folhapress e Adriano Machado - 10.mai.2021 /Reuters
Conteúdo exclusivo para assinantes
Madeleine Lacsko

Madeleine Lacsko é jornalista desde 1996. Participa dos think tanks Instituto Montese pela defesa da democracia e Sociedades Digitais e Relações de Poder, da GoNew.Co. Atuou como Consultora Internacional do Unicef Angola na campanha que erradicou a pólio no país, diretora de comunicação da Change.org para a América Latina, assessora no Supremo Tribunal Federal e do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alesp. Trabalhou na Jovem Pan, Antagonista, CCR e Gazeta do Povo.

Colunista do UOL

09/06/2022 04h00

Esses dias alguém me deu a ideia de criar um bonequinho que fala "falsa simetria" quando a gente aperta a barriga. Ainda não decidi se ele será o clássico senhor de meia-idade barbudo com rabo de cavalo ou alguém com pinta de capa da Vogue e discurso de justiceiro social.

Os dois modelos são figurinhas carimbadas nas redes sociais há alguns anos. Basta apontar em Lula ou no PT qualquer característica que os luloafetivos reconheçam em Jair Bolsonaro para algum herói lançar o coringa da "falsa simetria". Lula fez uma declaração autoritária? Falsa simetria. O PT se meteu em corrupção? Falsa simetria.

É evidente que seria falso equiparar Lula e Bolsonaro. Não são iguais, são profundamente diferentes, com histórias diferentes, propostas diferentes. São indivíduos. Mas carimbar de "falsa simetria" qualquer crítica que sirva a ambos não passa de um instrumento retórico de interdição do debate. Luloafetivos e bolsomínions tentam criar a ideia de que seus ídolos são a antítese um do outro. Da mesma forma que não são iguais também não são antítese.

Estamos diante de dois políticos populistas profundamente diferentes entre si. A semelhança está no comportamento dos apoiadores apaixonados, os que se entregam ao populismo de corpo e alma, deixando o cérebro na porta de entrada. Esses não são a maioria do eleitorado, nem de um nem de outro. Aliás, entre eleitores de Lula há uma boa porção que votaria em Bolsonaro e vice-versa.

Voltemos à militância gourmet. Os apoiadores mais apaixonados de Lula nas redes sociais estão convencidos de que seu ídolo é a única forma de salvar a democracia do Brasil. Têm tanta certeza que preferem interditar debates e suprimir as decisões democráticas de quem não se submete a eles para garantir a democracia. Precisamos impedir a democracia para Lula garantir a democracia, argumentam.

A partir desse raciocínio tão realista quanto sofisticado surgiu uma nova tese. Quem não vota em Lula é nazista. Como Lula seria a única forma de salvar nossa democracia e tirar Jair Bolsonaro do poder, quem não vota nele só pode ser intrinsecamente mau. Os mais apaixonados chegarão facilmente nos rótulos de fascista e nazista. É especialmente curioso que tratar como inimigos os que não se alinham 100% está justamente nos manuais de propaganda do fascismo e do nazismo. Mas, no caso específico, é tudo pela democracia.

Lula sempre costumou dizer que qualquer candidato pode ganhar se estiver na disputa. Não importa que nem pontue. Mas seus adoradores —não os eleitores, os adoradores— têm uma tese segundo a qual não votar em Lula no primeiro turno é a mesma coisa que votar em Jair Bolsonaro.

Se você reclamar de um fio de cabelo do Lula, vai ouvir de algum luminar que "apertou 17" na última eleição. Até Marina Silva e Ciro Gomes já foram intitulados de linha auxiliar do fascismo por não declarar e pedir voto útil em Lula no primeiro turno.

Mas ai de quem ousar dizer que esse método de chantagem política é usado diuturnamente pelo bolsonarismo. Vai ser chuva de luloafetivo gritando que é "falsa simetria" e tentativa de arrumar uma desculpa para justificar o voto em Jair Bolsonaro. Verdade seja dita, até ontem não tinha bolsonarista embarcando nessa do voto útil no primeiro turno.

Ontem, Eduardo Bolsonaro fez a seguinte postagem nas redes sociais: "'Não sou Lula, nem Bolsonaro.'' Sim, você é Lula". Oficialmente cai o mito da falsa simetria. O comportamento sectário é o mesmo embora os ídolos sejam diferentes.

Estamos tentando sair de uma seita entrando em outra? Não sei. Primeiro a gente tira o governante, depois vê como fica.