PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

"Profissionais", assassinos de Marielle escolheram ponto cego para atirar, diz investigador

A Polícia Civil já tem imagens do momento em que Marielle saía do encontro, na Lapa - Foto: Reprodução / TV Globo
A Polícia Civil já tem imagens do momento em que Marielle saía do encontro, na Lapa Imagem: Foto: Reprodução / TV Globo

Paula Bianchi

Do UOL, no Rio

19/03/2018 13h54Atualizada em 19/03/2018 19h45

Entre as dificuldades das investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, está a falta de imagens do momento do crime. Os criminosos, diz a polícia, escolheram um ponto cego no trajeto da vereadora e executaram o crime em um local em que não existiam câmeras.

Boa parte das ruas do centro do Rio de Janeiro --Marielle foi assassinada no Estácio, na região central, 4 km depois de deixar um evento na Lapa-- é coberta tanto por câmeras de segurança do município quanto por câmeras dos circuitos internos dos edifícios. O local escolhido pelos criminosos era um dos poucos pontos em que ação poderia ocorrer sem registro.

“Essas imagens seriam muito importantes. Dariam uma ideia precisa da dinâmica do crime. Você vê por aí como os assassinos são profissionais. A forma como a perseguição foi feita, a precisão nos tiros, na escolha do momento de interceptá-la e disparar”, diz um dos agentes que participam da investigação.

Veja também:

A Polícia Civil investiga se a munição usada no assassinato de Marielle e Anderson foi utilizada recentemente em outros crimes no Rio, segundo confirmou um dos agentes que participam da investigação.

As balas de calibre 9 mm encontradas ao lado dos corpos na última quarta-feira (14) são do lote UZZ-18, vendido à PF de Brasília em 2006. Caso tenham aparecido em algum outro crime no Estado, dizem os policiais, seria mais um possível caminho para encontrar os criminosos.

Imagens das câmeras de segurança próximas ao local do crime indicam que dois carros participaram da ação.

Marielle participava de um evento direcionado a jovens mulheres negras, na Lapa, na região central. A polícia acredita que os criminosos seguiram Marielle e sabiam exatamente onde atirar. Eles teriam esperado a vereadora por cerca de duas horas, do lado de fora do evento.

As investigações indicam que os dois carros seguiram a vereadora; enquanto um deles se postou na frente do automóvel em que ela estava, obrigando o motorista a diminuir a velocidade, o outro carro emparelhou e atirou contra ela.

Todos os disparos foram feitos contra a parte traseira do carro, do lado direito, onde ela estava sentada. Marielle morreu imediatamente após ser atingida por quatro tiros na cabeça. Os assassinos fugiram sem levar nada. O motorista levou três tiros. Uma assessora que também estava no carro teve ferimentos leves.

"Cria da Maré", vereadora usava mandato para denunciar violência

UOL Notícias

Disque Denúncia Marielle - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Pistas sobre o assassinato

O Disque Denúncia informa que já recebeu denúncias sobre o caso e as encaminhou para a polícia. O anonimato é garantido. Quem tiver qualquer informação a respeito da identificação e localização dos assassinos pode usar os seguintes canais para denunciar:

  • Whatsapp ou Telegram: (21) 98849-6099
  • Central de Atendimento do Disque Denúncia: (21) 2253-1177

Cotidiano