Topo

Prédio de ocupação irregular desaba após incêndio no centro de SP

Luciana Quierati*

Do UOL, em São Paulo

01/05/2018 03h03Atualizada em 01/05/2018 19h11

Um edifício de 24 andares desabou por volta das 2h20 da madrugada desta terça-feira (1º) depois de pegar fogo no início da madrugada no Largo do Paissandu, no centro de São Paulo. Cerca de 150 famílias moravam nos primeiros dez andares do prédio, que era uma ocupação irregular, de acordo com a prefeitura. 

Segundo o Corpo de Bombeiros, ao menos uma pessoa está desaparecida. É um homem que estava sendo retirado pelos bombeiros por um cabo do alto do edifício quando houve o desabamento. Mais cedo, a corporação disse que havia três desaparecidos, mas recuou. Moradores relatam, entretanto, que há ao menos outras três pessoas desaparecidas, sendo duas crianças. Ao todo, 45 pessoas registradas no cadastro de moradores ainda não foram encontradas mas não sabe se elas estavam no prédio no momento do incêndio e do desabamento.

Leia também:

Entre possíveis desaparecidos está a mãe do mecânico desempregado Lucas Souza Sampaio, 32. Eles moravam no terceiro andar do prédio que desabou. Sampaio contou que, quando percebeu o fogo, subiu até o 6º andar para ajudar a irmã, que está grávida e tem um filho pequeno. Enquanto eles desciam as escadas, a parte interna do edifício começou a ceder. Como o fogo era intenso, ele desceu sem socorrer a mãe. "Já circulei por tudo aqui e não acho. Acho que ela não conseguiu sair", diz ele. 

Marcelo Justo/UOL
Imagem: Marcelo Justo/UOL
A reportagem do UOL chegou ao local pouco antes de 3h, quando os bombeiros ainda isolavam o local. Na rua, cerca de cem pessoas, entre moradores e vizinhos dos prédios ao lado, buscavam informações sobre conhecidos e lamentavam os pertences perdidos.

Desde cedo, cerca de 130 homens do Corpo de Bombeiros trabalhavam para contar focos de incêndio e na busca por sobreviventes. O rescaldo inicial, com tentativa de encontrar vítimas, deve durar 48 horas. Depois disso, serão utilizados na área cães farejadores e máquinas retroescavadeiras para tirar entulhos e continuar a busca por vítimas.

Surpreendidos pelo fogo enquanto dormiam, os moradores deixavam o prédio em chamas quando houve o desabamento. “Estava dormindo, ouvi os gritos e vidros caindo. Quando percebi que era fogo, chamei eles [os filhos] e saí correndo”, diz Deise da Silva Rodrigues, 31, que morava havia um mês na ocupação, depois de ser desalojada de outro prédio, também no centro. Descalça, Deise contou que tinha um “barraco”, como eles costumam chamar o local que ocupavam no 3º andar, com cinco filhos.

Perdi documento, perdi roupa, perdi tudo. Só deu tempo de sair correndo e mais nada

Marinalva Alves Lemos, 45, que morava na ocupação com o companheiro

O prédio pertencia à União e era uma antiga instalação da Polícia Federal, ocupada irregularmente. O presidente Michel Temer (MDB), que já estava em São Paulo, visitou o local por volta das 10h. Durante entrevista a jornalistas, ele foi hostilizado por manifestantes

De acordo com o prefeito Bruno Covas (PSDB), havia 150 famílias no prédio cadastradas na Secretaria de Habitação para serem retiradas do edifício. Antes do incêndio, a prefeitura afirmou que estava em contato com o governo federal, proprietário do edifício, para que ele fosse desocupado, segundo Covas.

O edifício era uma das oito ocupações existentes no centro de São Paulo. De acordo com a Secretaria de Assistência Social, 248 pessoas foram identificadas como moradores e serão levadas a abrigos da prefeitura.

Saí só com a roupa do corpo e com a minha menina. Já morei em outras ocupações, morei na Lapa, em barraco da Inajar de Souza [avenida na zona norte da cidade]. Nunca tive nada de importante e agora perdi o pouco que consegui.”

Gisele Félix das Neves, 18

Prédio sem condições de moradia, diz governador

O governador do Estado, Márcio França (PSB), esteve no local por volta das 5h e disse que, após a contenção do fogo, cães farejadores serão empregados na busca por sobreviventes em meio aos destroços. "É uma tragédia anunciada. Tem muita estrutura metálica, muito lixo que é jogado no fosso dos elevadores", disse França. "É um prédio que não tem a mínima condição de moraria. A União não podia ter deixado ocorrer essa ocupação."

Testemunhas disseram ter ouvido um estrondo muito alto antes do desabamento. "Parecia uma bomba. Quando olhei, já estava no chão", diz a cozinheira e microempresária peruana Eva Vilma Sobero Pio, 57, que mora no prédio ao lado e estava acordada no momento. "Só ouvi vidros quebrando e muitos gritos, muita gente gritando, crianças, um horror", conta.

Ela diz que o lixo era jogado nos fossos dos elevadores, que não funcionavam. "Minha filha e eu já ligamos várias vezes na prefeitura para pedir providências, porque é muita sujeira, muito lixo", diz Eva Vilma.

"Vai ser difícil encontrar pessoas com vida", diz capitão

UOL Notícias

Por volta das 4h15, homens da Defesa Civil começaram a reunir os moradores para um cadastramento prévio das famílias, para identificar a melhor forma de oferecer ajuda e abrigo. 

Segundo Cesar Hernandes, coordenador do setor de emergências da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social da prefeitura, serão fornecidos cobertores e colchões para os moradores dos dois prédios. Aqueles que não tiverem para onde ir devem ser encaminhados para centros de acolhida da região. *Colaboraram Nathan Lopes e Marcelo Freire

Relembre outros incêndios que marcaram a história de São Paulo

Band Notí­cias