Campanha que combate armas nucleares ganha Nobel da Paz 2017

Do UOL, em São Paulo

A "Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares" (Ican, na sigla em inglês) ganhou o Prêmio Nobel da Paz 2017, anunciado nesta sexta-feira (6) em Oslo, na Noruega.

"A organização recebe o prêmio por seu trabalho para chamar a atenção sobre as consequências humanitárias catastróficas do uso de armas nucleares e por seus esforços pioneiros para obter um tratado de proibição destas armas", afirmou a presidente do Comitê Norueguês do Nobel, Berit Reiss-Andersen.

O Comitê destacou que as potências nucleares devem iniciar "negociações sérias" de desarmamento.

"O Prêmio da Paz deste ano é também um apelo para que estes Estados iniciem negociações sérias destinadas à eliminação gradual, equilibrada e cuidadosamente supervisionadas das quase 15.000 armas nucleares que existem no mundo", disse Berit Reiss-Andersen.

O Ican é um grupo global com sede em Genebra que trabalha na promoção para a adesão e completa implementação do Tratado de Proibição de Armas Nucleares. A campanha foi lançada em 2007 e conta hoje com 468 organizações parceiras em 101 países. O tratado é o primeiro acordo internacional juridicamente vinculativo a proibir de forma abrangente as armas nucleares.

A organização, que tem um orçamento anual de US$ 1,2 milhão, funciona graças às ajudas financeiras de vários governos, como Noruega, Suíça, Holanda, Alemanha ou a Santa Sé, assim como de doadores privados, da União Europeia e várias fundações.

Saiba mais

A declaração do Comitê do Nobel diz que "através do seu apoio inspirador e inovador às negociações da ONU sobre um tratado que proíbe armas nucleares, a ICAN desempenhou um papel importante para conseguir o que nos nossos dias é equivalente a um congresso internacional de paz ".

Questionado pelos jornalistas se o prêmio era essencialmente simbólico, em um período de tensões crescentes com a ameaça nuclear representada pela Coreia do Norte, além de que não foram alcançadas medidas internacionais contra armas nucleares, Reiss-Andersen disse que "o que não terá impacto é ser passivo".

A escolha do Comitê do Nobel equivale a um alerta para os nove países que possuem arsenal nuclear no mundo. Todos boicotaram as negociações para o tratado -- alcançado em julho nas Nações Unidas.

O tratado foi votado por 122 países na sede da ONU, em Nova York, após meses de negociação e com forte oposição dos países nucleares e seus aliados. Todos os países que têm armas nucleares e muitos outros que estão sob sua proteção ou hospedam armas em seu solo boicotaram as negociações.

O Tratado Global para Proibir as Armas Nucleares foi aberto para assinaturas no dia 20 de setembro e entrará em vigor 90 dias depois que 50 países - dos 122 que o votaram - o ratifiquem.

"Arma nuclear é inaceitável"

A diretora da campanha antinuclear disse que o Nobel da Paz deste ano envia uma mensagem para todos os Estados armados com armas nucleares e para todos os Estados que continuam a depender de armas nucleares para a segurança que este é um comportamento inaceitável". A coalizão de organizações Campanha Internacional para Abolir as Armas Nucleares (ICAN) venceu o Prêmio Nobel da Paz por seu trabalho para estimular a proibição das armas atômicas.

Beatrice Fihn, diretora-executiva da Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares, disse que "nós podemos ameaçar matar indiscriminadamente centenas de milhares de civis em nome da segurança. Não é assim que se constrói a segurança".

Fihn disse que o grupo recebeu um telefonema minutos antes do anúncio oficial do Nobel da Paz. No entanto, ela disse que achou que era uma "pegadinha" e que ela não acreditou até ouvir o nome do grupo durante o anúncio em Oslo.

Neste ano, 318 personalidades e organizações foram propostas para receber o prêmio. Na lista deste ano estavam todos os "Capacetes Brancos" sírios, o médico congolês Denis Mukwege, o blogueiro saudita preso Raef Badaui, e o americano Edward Snowden, que revelou a amplitude da vigilância maciça das agências americana.

Como nos tempos de George W. Bush, Donald Trump, que troca há semanas ameaças com o líder norte-coreano, foi sugerido por um compatriota, cuja identidade não foi revelada, que deseja que sua "ideologia de paz pela força" seja reconhecida.

A identidade dos candidatos não é divulgada, mas aqueles que se apresentam ao comitê -legisladores e ministros de todos os países, ex-premiados, professores universitários- podem revelar o nome de seu candidato.

O prêmio consiste em uma medalha de ouro, um diploma e um cheque de nove milhões de coroas suecas (cerca de US$ 1,1 milhão), será entregue em Oslo no dia 10 de dezembro, data do aniversário da morte de seu fundador, o inventor e industrial sueco Alfred Nobel (1833-1896).

No ano passado, o prêmio foi entregue ao presidente colombiano, Juan Manuel Santos, por seus esforços na busca de um acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos