PUBLICIDADE
Topo

Guerra da Rússia-Ucrânia

Notícias do conflito entre Rússia e Ucrânia


Conteúdo publicado há
2 meses

Ucrânia propõe uma 'rodada especial' de negociação com a Rússia em Mariupol

Do UOL*, em São Paulo

20/04/2022 17h55Atualizada em 20/04/2022 19h17

A Ucrânia propôs a realização de uma "rodada especial" de negociações com a Rússia em Mariupol, cidade ucraniana que está cercada pelos russos desde o início da invasão. A informação é de um alto funcionário de Kiev, capital do país.

"Sim, sem nenhuma condição. Estamos dispostos a realizar uma 'rodada especial de negociações' em Mariupol", afirmou no Twitter o negociador ucraniano e assessor presidencial Mijailo Podoliak.

Outro negociador ucraniano, David Arakhamia, disse que ele e Podoliak "estão prontos para ir a Mariupol para conversar com o lado russo sobre a evacuação de nossa guarnição militar e dos civis". A declaração foi feita no Telegram.

Hoje, a Ucrânia informou que o corredor humanitário de Mariupol, cidade portuária no sudeste do país, "não funcionou" hoje. A vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Vereshchuk, também acusou as tropas russas de violar o cessar-fogo e bloquear os veículos que tentavam deixar a cidade. Segundo ela, isso aconteceu "devido à falta de controle [dos russos] sobre seus próprios militares no terreno".

"Infelizmente, o corredor humanitário de Mariupol não funcionou como planejado hoje", disse Vereshchuk, em um comunicado pelo Telegram.

Mapa Rússia invade a Ucrânia - 26.02.2022 - Arte UOL - Arte UOL
Imagem: Arte UOL

Ucranianos fazem 'último apelo' em Mariupol

Comandante da 36ª Brigada de Fuzileiros Navais da Ucrânia, Serhiy Volynsky pediu para que militares e civis em Mariupol, cidade ucraniana sitiada pelos russos, sejam retirados da fábrica de Azovtal. Em mensagem em vídeo, divulgada hoje por veículos ucranianos de imprensa, Volynsky disse que "este pode ser o último apelo".

"Podemos ter alguns dias ou horas restantes", afirmou.

O Ministério da Defesa da Rússia renovou o ultimato aos militares ucranianos na siderúrgica de Azovtal, em Mariupol. A fábrica é o principal bastião de resistência restante em Mariupol. Ao menos 500 militares estariam feridos no local, que também abriga civis.

O prazo de saída era até as 8h, horário de Brasília, desta quarta-feira (20), 56º dia da guerra da Rússia em território ucraniano. Passado o horário, não houve rendição ucraniana até o momento nem nova manifestação russa a respeito.

20.abr.2022 - Serhiy Volynsky, comandante da 36ª Brigada de Fuzileiros Navais da Ucrânia, faz apelo em vídeo para sair de Mariupol - Reprodução/Facebook/natasya.nagorna - Reprodução/Facebook/natasya.nagorna
20.abr.2022 - Serhiy Volynsky, comandante da 36ª Brigada de Fuzileiros Navais da Ucrânia, faz apelo em vídeo para sair de Mariupol
Imagem: Reprodução/Facebook/natasya.nagorna

Rússia diz que enviou propostas para interromper guerra

A Rússia alega ter entregado novas propostas para a interrupção do conflito com a Ucrânia. O porta-voz russo, Dmitry Peskov, afirmou que a "bola agora está no campo" ucraniano.

No entanto, segundo o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, os ucranianos não tiveram acesso a nenhum documento sobre esse assunto vindo hoje dos russos.

A guerra e as movimentações dos dois lados, atualmente, estão focadas na região de Donbass, na qual se encontram os territórios separatistas de Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia.

Essa região não foi incluída nos debates e negociações, mesmo que a Rússia reivindique sua soberania - mas é possível que essas novas propostas, das quais ainda não se sabe o teor, citem Donbass e uma futura anexação russa, como aconteceu com a Crimeia.

Anteriormente, a Ucrânia já havia exigido a manutenção da integridade territorial desse leste de seu território.

* Com informações da AFP