PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Cúpula dos Povos critica capitalismo verde, mas reproduz áreas de shopping center

Visitantes da Cúpula dos Povos, um dos maiores eventos paralelos da Rio+20, podem comprar produtos sustentáveis, feitos com materiais da biodiversidade de cada região brasileira. A expectativa dos organizadores é movimentar R$3 milhões - Júlio Cesar Guimarães/UOL
Visitantes da Cúpula dos Povos, um dos maiores eventos paralelos da Rio+20, podem comprar produtos sustentáveis, feitos com materiais da biodiversidade de cada região brasileira. A expectativa dos organizadores é movimentar R$3 milhões Imagem: Júlio Cesar Guimarães/UOL

Rodrigo Bertolotto

Do UOL, no Rio

17/06/2012 06h00

Uma praça de alimentação e corredores com lojas. Assim é um shopping center. Mas assim também é parte da estrutura da Cúpula dos Povos, evento paralelo da Rio+20. A diferença é que os produtos de lá contam com grifes ecológicas e ideológicas.

As opções gastronômicas incluem hambúrgueres vegetarianos com shitake e rúcula, tendo como opção de sobremesa bolo de mandioca feito por uma ONG de cozinheiras da favela da Maré, comunidade antes dominada pelo traficante Fernandinho Beira-Mar.

“Vendemos bem, não sobrou nada. Vamos ter que produzir mais amanhã”, disse Verusca Michele, após comercializar o último pedaço de bolo por R$ 3.

Para as “ongueiras” e ativistas mais vaidosas não faltam alternativas, afinal, o local é da economia alternativa, solidária e sustentável. Há carteiras feitas com caixa de leite (R$ 10), camisetas confeccionadas com tecido 50% reciclado a partir de garrafas pet (R$70), bolsas decoradas com lacre de latinha de refrigerante (até R$ 220).

A paulista Liliana Pires vendia anéis e colares aproveitando cápsulas de Nespresso, método de fazer café patenteado pela multinacional suíça Nestlé. “É um dejeto metálico que facilmente vira uma bijuteria”, afirma Liliana.

Os estilos de moda vão do indiano ao hippie. As manjadas camisetas com a cara de Che Guevara competem com as estampadas como macacos – há um estande de associação para salvar o mico-leão-dourado e também o muriqui.

Há opções de penteados afro, incensos, almofadas, geleias orgânicas, artesanatos com coco, camisetas turísticas, livros e até composteiras, para processar o lixo orgânico em casa.

Os visitantes da Cúpula dos Povos, no Aterro do Flamengo, podem também comprar produtos sustentáveis, feitos com materiais da biodiversidade de cada região brasileira, na Praça da Sociobiodiversidade. Organizada pelos ministérios do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, da Agricultura e Pecuária e do Meio Ambiente, a feira foi aberta hoje (16), com a expectativa de movimentar cerca de R$ 3 milhões em vendas.

Meio Ambiente