Topo

Estados pedem cooperação federal urgente no combate a incêndios na Amazônia

Foco de incêndio na floresta Amazônica, próximo de Humaitá, no Amazonas - Ueslei Marcelino - 17.ago.2019/Reuters
Foco de incêndio na floresta Amazônica, próximo de Humaitá, no Amazonas Imagem: Ueslei Marcelino - 17.ago.2019/Reuters

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

24/08/2019 14h18

Os nove governadores que compõem o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal divulgaram ofício hoje enviado ao presidente Jair Bolsonaro solicitando uma imediata cooperação estadual e federal para ações de combate a focos de incêndio na região amazônica.

"A situação se agrava a cada dia, comprometendo a biodiversidade da região em razão da destruição de quilômetros de flora e da morte de milhares de espécies da fauna amazônica", disseram.

A Amazônia Legal inclui os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Os governadores de todos os estados assinaram o documento.

No ofício, eles solicitam à "Vossa Excelência imediata providências no sentido de viabilizar a cooperação das estruturas dos Estados da Amazônia Legal e do governo Federal no emprego específico de combate a focos de incêndio".

Uma reunião já está marcada para a próxima terça-feira (27).

"A proporção das queimadas, a velocidade de alastramento do fogo, a dificuldade de acesso às áreas atingidas, bem como a insuficiência de meios financeiros humanos e materiais para combater o fogo potencializam o tamanho da destruição e gravidade do problema", alertam.

Os governadores pedem também que o governo Federal "estabeleça uma agenda permanente de proteção, conservação e desenvolvimento sustentável da nossa Amazônia."

Sobre a GLO (Garantia da Lei e da Ordem) assinada na sexta-feira (23) por Bolsonaro, o ofício diz que cada estado faça a adesão individualmente. No caso, apenas com a inclusão do estado, o Exército passará a comandar as ações de combate ao fogo.

Queimadas na Amazônia: crise tem Bolsonaro culpando ONG e crítica de Macron

UOL Notícias

Mais Meio Ambiente