Topo

Planalto retira desculpas de Macron de condições para aceitar ajuda do G7

Luciana Quierati

Do UOL, em São Paulo

27/08/2019 19h13Atualizada em 27/08/2019 22h08

Depois de o presidente Jair Bolsonaro (PSL) condicionar o recebimento dos US$ 20 milhões do G7 para a Amazônia a um pedido de desculpas do presidente francês, Emmanuel Macron, o Palácio do Planalto voltou atrás nesta noite nas exigências impostas para aceitar a oferta europeia. Questionado sobre se a Presidência mantinha a exigência a Macron, o porta-voz Otávio Rêgo Barros não confirmou. O general disse apenas que o Brasil só aceitará recursos desde que possa gerenciá-los como achar mais conveniente.

"Quaisquer recursos advindos do exterior em benefício do combate a esse momento que vivenciamos de queimadas serão bem-vindos, mas também gostaria de reforçar que é essencial entendimento de quem venha a promover essa doação de que a governança desses recursos, financeiros ou de reposição de materiais e ferramentas, é do governo brasileiro", disse.

Segundo o porta-voz, o governo está aberto a receber aportes de organizações e países, e que, em sendo oferecidos, haverá sempre um "estudo de situação" para verificar se a doação será aceita, como e o que será feito dela.

O porta-voz foi insistentemente questionado sobre se a ajuda do G7, então, seria recebida e se a exigência do pedido de desculpas de Macron havia sido deixada de lado. Mas a resposta acabou sendo sempre a mesma, a de que o governo está aberto, desde que a verba esteja condicionada ao reconhecimento da soberania e da governança do governo brasileiro.

"Quaisquer que sejam os países que venham a cooperar conosco, que esses países tenham um alinhamento natural e aceitável pelo nosso país, incluindo países da União Europeia, onde a gente vê a preocupação com o meio ambiente", disse Rêgo Barros.

E acrescentou: "Qualquer líder que não seja o líder do nosso país, e que venha a fazer comentários sobre como nosso governo deve definir nossas ações, deve entender que aqui existe governança que entende suas necessidades. Vamos receber recursos estrangeiros desde que analisado que a governança seja nossa. É isso. Os comentários exteriores a esse processo, eles não vêm para somar, vêm apenas para dividir".

Em nenhum momento da entrevista a jornalistas Rêgo Barros citou ou reiterou uma exigência de desculpas a Macron.

"Não existem recuos do presidente"

Pela manhã, Bolsonaro disse que, para receber os recursos, queria um posicionamento de Macron.

"Primeiramente, o senhor Macron deve retirar os insultos que fez à minha pessoa. Primeiro, me chamou de mentiroso. Depois, as informações que tive, é que a nossa soberania está em aberto na Amazônia. Então, realmente para conversar ou aceitar qualquer coisa da França, que seja das melhores intenções, ele (Macron) vai ter que retirar essas palavras. Primeiro, ele retira, depois ele oferece e daí eu respondo".

Questionado sobre o recuo quanto ao pedido de desculpas de Macron, o porta-voz disse não ver dessa forma. "Ele [Bolsonaro] tem um estudo continuado de situação e é assessorado pelos senhores ministros, naquilo que compete a cada um, e o presidente captura essas informações. Não existem recuos do presidente. O presidente avança em direção ao bem-estar da sociedade brasileira", disse Rêgo Barros.

Desentendimentos

Bolsonaro e o presidente francês têm trocado críticas na questão da preservação da Amazônia. Macron disse ontem esperar que "os brasileiros tenham logo um presidente que se comporte à altura". A fala foi uma resposta a um comentário de Bolsonaro sobre a primeira-dama francesa, Brigitte Macron.

Bolsonaro negou ter ofendido a esposa do francês e encerrou a entrevista diante da insistência dos jornalistas sobre o tema.

"Não queiram levar para esse lado, questão pessoal e familiar eu não me meto. Eu falei para o cara não entrar nessa área. Se continuar pergunta nesse padrão, vai acabar a entrevista", ameaçou.

No final de semana, um seguidor do presidente no Facebook publicou uma imagem, na qual se vê uma foto de Bolsonaro e a primeira-dama Michelle abaixo de um retrato de Macron e Brigitte acompanhada do seguinte comentário: "Entende agora pq Macron persegue Bolsonaro?". O perfil do presidente respondeu: "não humilha cara. Kkkkkkk".

Meio Ambiente