Topo

General Heleno diz que França deixou "rastro de destruição" em colônias

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

27/08/2019 12h28Atualizada em 27/08/2019 19h43

O ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, questionou hoje de manhã a autoridade da França em criticar a política ambiental do Brasil e afirmou que o país europeu não pode dar lição a nenhum outro nesse aspecto, porque, "por onde passaram, deixaram rastro de destruição".

O ministro ainda chamou a postura do presidente da França, Emmanuel Macron, de "molecagem". Este sugeriu a discussão de um status internacional para a Amazônia e levar a questão de queimadas no Brasil ao G7 - grupo dos sete países mais ricos do mundo - cuja reunião ocorreu no final de semana passado.

"Essa posição colonialista do Macron, além de ser lamentável, ela tem um passado triste. 90% das ex-colônias francesas vivem em situação lamentável. [...] Então, a França não pode dar lição a ninguém nesse aspecto. Eu vivi o problema no Haiti. O Haiti é colônia francesa, uma delas. Tem um monte na Europa [de países]. Onde eles passaram, deixaram um rastro de destruição, de confusão, de miséria, então, eles não podem dar esse tipo de conselho a ninguém. Isso é molecagem", declarou.

A declaração foi dada durante reunião do presidente Jair Bolsonaro (PSL) com ministros e governadores da Amazônia Legal no Palácio do Planalto. O encontro foi marcado para tratar de ações do governo federal para combater focos de incêndio na Amazônia.

Tanto o presidente quanto vários governadores criticaram também a quantidade de reservas indígenas demarcadas na região, afirmando que atrapalham o desenvolvimento do país.

O governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), avaliou que o Brasil está "perdendo tempo" ao ficar comentando as falas de Macron e precisa cuidar melhor dos problemas internos. Para ele, o país precisa dar sinalizações de que cuida do meio ambiente para que o agronegócio não tenha a imagem prejudicada no mercado internacional.

Bolsonaro x Macron

Bolsonaro e o presidente francês têm trocado críticas na questão da preservação da Amazônia. Macron disse ontem esperar que "os brasileiros tenham logo um presidente que se comporte à altura". A fala foi uma resposta a um comentário de Bolsonaro sobre a primeira-dama francesa, Brigitte Macron, considerado ofensivo.

Hoje, o presidente recuou e disse que pode discutir o recebimento de US$ 20 milhões (cerca de R$ 83 milhões) oferecidos pelo G7 para a Amazônia se Macron lhe pedir desculpas. Na noite de ontem, o Palácio do Planalto havia informado que o dinheiro seria rejeitado.

Em entrevista na portaria do Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse que só aceitará negociar se Macron pedir desculpas a ele, por tê-lo chamado de "mentiroso", e retirar declaração sobre a internacionalização da Amazônia.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que informou o sexto parágrafo da matéria, o governador do Pará, Helder Barbalho, é filiado ao MDB, e não ao PSDB. A informação foi corrigida.

Meio Ambiente