Moradores registram BOs e querem retirada de acampamento ou transferência de Lula

Ana Carla Bermúdez e Vinicius Boreki

Do UOL e colaboração para o UOL, em Curitiba

Pelo menos 12 boletins de ocorrência relatando "perturbação do sossego" e ameaça foram registrados até esta segunda-feira (16) no 4º DP (Distrito Policial) de Curitiba por moradores da região próxima à sede da Superintendência da PF (Polícia Federal), no bairro Santa Cândida, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está preso.

Nesta manhã, moradores também foram à Câmara dos Vereadores para pedir ajuda aos parlamentares. Eles querem a saída do acampamento do local ou que Lula seja transferido.

Na semana passada, a Prefeitura de Curitiba e o Sindicato dos Delegados da Polícia Federal no Paraná já tinham pedido a transferência de Lula. Mas não houve uma decisão até o momento. Em entrevista ao jornal "Folha de S.Paulo", o diretor do Depen [Departamento Penitenciário do Paraná] disse que está pronto para receber o ex-presidente.

O vereador Felipe Braga Côrtes (PSD-PR), que recebeu os moradores na Câmara nesta manhã, disse que irá encaminhar as reclamações para a juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal, responsável pelas decisões sobre a custódia de Lula.

Na sexta-feira (13), a Justiça do Paraná fixou uma multa diária de R$ 500 mil para os manifestantes que ocuparem o entorno da sede da Superintendência da PF.

Desde a prisão de Lula, no sábado (7), militantes favoráveis ao petista ocupam parte das ruas Doutor Barreto Coutinho e Guilherme Matter, a cerca de 100 metros do local.

O acampamento estima contar com mil ocupantes fixos por dia, tendo uma passagem diária de duas mil pessoas. Nele, os apoiadores do ex-presidente Lula se encontram em barracas, montadas na rua ou em frente às casas das pessoas.

"A gente perdeu a paz. Aqui é um bairro residencial, nunca aconteceu isso com a gente. Muitos moradores são idosos", disse uma moradora que pede para não ser identificada.

Segundo ela, enquanto o ex-presidente estiver lá, os manifestantes "não vão arredar pé". "O que solucionaria seria a retirada dele [Lula] daqui. Para nós seria bom, porque eles [manifestantes] iriam atrás", afirmou.

Ela diz que não teve nenhum "atrito pessoal" com os manifestantes, mas que se sente incomodada com o barulho "ensurdecedor" e com a "insegurança" na hora de sair e de chegar na própria casa.

"Quando começam com o batuque deles, a gente não consegue conversar sem gritar dentro de casa", disse.

RODRIGO FÉLIX LEAL/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Barracas de acampamento pró-Lula ocupam jardins de casas do bairro de Santa Cândida

Além disso, segundo ela, quem é morador deve se identificar tanto para agentes da PF como para membros do acampamento para poder passar por cordões de isolamento no local.
"O que eu noto é que somos vigiados 24 horas. Eles sabem quem entra, quem sai", diz. "É muito estressante isso. Você perde a liberdade dentro de casa", afirmou.

No acampamento, o momento de mais barulho ao longo do dia é no período da manhã, quando os acampados dão bom dia ao ex-presidente Lula, normalmente com instrumentos musicais, além da presença de lideranças de grupos de apoiadores e parlamentares.

Além do barulho, outra moradora ouvida pelo UOL e que também pede para não ser identificada reclama de mau cheiro e da ocupação do seu jardim quando ela "nem estava em casa".
"A gente não tem liberdade para nada. Você não pode sair ali fora que ficam te olhando", reclamou.

A moradora afirmou que a sede da PF "não é o lugar" para Lula ou outros presos da Lava Jato ficarem detidos. "Já que ele [Lula] é um condenado, tem que estar em um presídio", disse.

Nove banheiros químicos estão instalados no acampamento, que também tem uma equipe de limpeza. Existem ainda cozinhas espalhadas, onde os militantes preparam o próprio almoço com doações.

Segundo a comunicação do Acampamento Lula Livre, o local está tendo um bom diálogo com a população, com a adesão e apoio de muitos moradores das proximidades, embora as lideranças compreendam os transtornos causados à região.

Além disso, o acampamento informa que tem respeitado os horários de silêncio, das 22 às 7 horas, e que considera sua luta legítima, dentro de um estado de direito no qual é possível se manifestar.

Uma das apoiadoras é a morada Rosa de Fátima Trento, que vive a duas quadras da concentração. Em sua residência, as pessoas do acampamento podem tomar banho e encontram um local de refúgio.

"A manifestação está muito bem organizada. Eles não atrapalham em nada o nosso convívio e não impedem o nosso direito de ir e vir, sempre com muito respeito e educação", opina.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos