PUBLICIDADE
Topo

Política

75% acham que Bolsonaro e equipe estão "no caminho certo", diz CNI/Ibope

Bancada do PSL se reúne com o presidente eleito, Jair Bolsonaro, no CCBB, em Brasília - Divulgação -12.dez.2018/Governo de Transição
Bancada do PSL se reúne com o presidente eleito, Jair Bolsonaro, no CCBB, em Brasília Imagem: Divulgação -12.dez.2018/Governo de Transição

Luciana Amaral

Do UOL ,em Brasília

13/12/2018 10h09Atualizada em 13/12/2018 16h52

Três em cada quatro brasileiros (75%) acreditam que o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), e sua equipe de governo estão "no caminho certo", segundo pesquisa Ibope encomendada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgada nesta quinta-feira (13). Para 14% dos entrevistados, entretanto, o eleito está no caminho errado. Outros 11% não souberam ou não responderam. 

A pesquisa CNI/Ibope entrevistou 2.000 pessoas entre 29 de novembro e 2 de dezembro em 127 municípios do Brasil. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, com 95% de nível de confiança.

Segundo a pesquisa, quanto maior a renda familiar, maior o percentual dos que creem que a equipe de transição acerta em suas ações. Dentre pessoas com renda familiar de até um salário mínimo, 70% concordam com as iniciativas tomadas enquanto que, entre famílias com renda superior a cinco salários mínimos, o percentual chega a 82%.

O levantamento foi feito nas ruas antes da revelação de relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) que aponta que um ex-assessor de um dos filhos do presidente eleito, Flávio Bolsonaro, realizou transações atípicas e repassou valores a integrantes da família, como à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Dentre os entrevistados, 29% afirmam que estão muito informados ou informados sobre as indicações do presidente eleito para os cargos de primeiro escalão do governo - ministros e colaboradores da equipe de transição. Os que informaram estar mais ou menos informados são 31%; pouco informados, 20%; e não saber nada, 19%. Para 55% dos brasileiros que se consideraram muito informados ou informados, as indicações ministeriais feitas por Bolsonaro são adequadas.

Quando foi feito o levantamento, Bolsonaro não havia definido ainda o nome da pastora Damares Alves, assessora do senador Magno Malta (PR-ES), para o futuro Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos nem o nome do futuro ministro do Meio Ambiente, o advogado e administrador Ricardo de Aquino Salles, réu de ação civil pública ambiental e de improbidade administrativa.

64% acreditam que governo Bolsonaro será ótimo ou bom

No geral, aponta a pesquisa, a população brasileira está otimista com o próximo presidente. Para 64% dos entrevistados, o governo de Bolsonaro será ótimo ou bom. Os que acreditam que será regular somam 18% e, ruim ou péssimo, 14%. Outros 4% não souberam ou não responderam.

Os homens estão mais otimistas do que as mulheres. Entre eles, 69% acreditam que a futura gestão será ótima ou boa. Dentre as mulheres, o índice cai para 61%. Os mais pessimistas são os moradores do Nordeste, embora a maioria dos nordestinos aposte em um bom governo de Bolsonaro: 55% acreditam que será ótimo ou bom, enquanto 21% dizem que será ruim ou péssimo.

Brasileiros mais otimistas com economia e com a própria vida

A pesquisa CNI/Ibope também perguntou aos entrevistados como se sentem em relação a 2019. Para 66%, a situação econômica do Brasil vai melhorar ou melhorar muito. Já 69% acreditam que a própria vida vai melhorar ou melhorar muito no ano que vem. As diferenças no otimismo não têm grandes diferenças se comparadas as faixas de renda, mas é maior entre homens e aqueles com renda mais alta.

Na avaliação de 43% dos entrevistados, a segurança pública é o problema que mais vai melhorar no governo de Bolsonaro. Em seguida, são citados corrupção e desemprego por 37% e 36% dos brasileiros, respectivamente. Saúde e educação aparecem em quarto (31%) e quinto (22%) lugares.

Quanto maior a escolaridade do entrevistado, maior a preocupação com segurança pública, corrupção, impunidade e lentidão da justiça.

O Ibope perguntou aos entrevistados o que eles acreditam que vai piorar no próximo governo. Em lista com 28 problemas, 14 ficaram tecnicamente empatados variando de 7% a 11% das citações. Os mais mencionados, no entanto, estão ligados à pobreza e desigualdade social, como desemprego, inflação, falta de moradia e impostos elevados.

Política