Pesquisa entre senadores aponta Dino com 21 votos e nas mãos do centrão

Levantamento do UOL entre senadores indica que o ministro Flávio Dino (PSB) tem 21 votos favoráveis à sua indicação ao STF. O apoio vem principalmente de partidos de esquerda, mas ele ainda precisa convencer parlamentares do centrão para ser aprovado.

O que aconteceu

O atual ministro da Justiça tem peregrinado pelos corredores do Senado antes da sabatina marcada para o dia 13. Ele corre atrás de ao menos mais 20 votos entre os senadores que não se decidiram.

A oposição tem 23 parlamentares que afirmaram que vão votar contra o nome de Dino. Outros 16 não quiseram responder.

Dino tem que ser aprovado por ao menos 14 votos na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), entre os 27 integrantes. Depois, seu nome vai ser analisado por 81 senadores. No plenário, são necessários 41 votos.

Entre os indecisos e que não responderam estão integrantes do União Brasil, do PP, do PSD e do MDB, siglas que têm ministérios no governo Lula. Esses dois últimos partidos marcaram uma reunião de alinhamento para a véspera da sabatina.

Como o voto é secreto, alguns parlamentares da oposição que não quiseram manifestar sua posição devem votar a favor da indicação. Também pode haver traições dentro dos partidos de esquerda.

Dino já conversou com cerca de 50 senadores, entre eles alguns de oposição, como Hamilton Mourão (Republicanos-RS), e disse não ter ouvido negativas a seu nome.

Com o Congresso esvaziado por conta da COP28, em Dubai, o ministro também tem falado com os parlamentares por telefone.

Continua após a publicidade

Ele tem ressaltado seu compromisso com a pacificação nacional, o cumprimento de leis e a boa relação entre os Poderes.

A indicação de Dino mobilizou a oposição a organizar manifestações de rua no domingo. Deputados que viajarão a Buenos Aires para a posse de Javier Milei voltarão mais cedo para participar dos atos.

Na semana anterior à indicação, Dino esteve com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Na sequência, o senador Davi Alcolumbre (União-AP) foi chamado para o encontro. Ele é presidente da CCJ, responsável pela sabatina dos candidatos ao STF.

Dino saiu da reunião negando que havia tratado de Supremo. Dias depois, foi indicado ao cargo por Lula.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes